A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

14/03/2013 23:57

STF derruba sistema de pagamento de precatórios vigente desde 2009

Débora Zampier, da Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) derruboun esta quinta-feira (14) grande parte da emenda à Constituição que alterou, em 2009, o regime de pagamento de precatórios, que são títulos da dívida pública reconhecidos por decisão judicial definitiva. Estima-se que cerca de 1 milhão de credores tenham mais de R$ 90 bilhões a receber de estados e municípios.

Na quarta-feira (13), os ministros já haviam derrubado parte da emenda. Hoje, analisaram o regime especial criado com a reforma, que permitia o pagamento em até 15 anos, a realização de leilões para priorizar o credor disposto a dar mais desconto e a reserva no orçamento de estados e municípios entre 1% e 2% para quitação das dívidas.

Para a maioria dos ministros, não é possível manter o novo regime porque ele prejudica o cidadão, permitindo o parcelamento e a redução de uma dívida que deveria ser paga integralmente e de forma imediata, no ano seguinte à expedição do precatório. Também houve críticas ao comprometimento da autoridade judicial, uma vez que as decisões deixam de ser cumpridas integralmente.

Para a Corte, o Congresso Nacional precisa encontrar outra saída que não seja a regra nova nem a anterior. Com a derrubada da emenda, voltam a valer as regras da Constituição de 1988. “Não se trata de escolher entre um e outro regime perverso, temos que achar outras soluções”, sintetizou a ministra Rosa Weber. A regra anterior previa o pagamento imediato, mas era frequentemente descumprida por estados e municípios, que não sofriam qualquer sanção.

O Supremo começou a analisar o caso em 2011, com o voto do relator, ministro Carlos Ayres Britto. Ele criticou a má gestão do dinheiro público, lembrando que muitos estados e municípios gastam mais com publicidade que com o pagamento de precatórios. Após pedido de vista, Luiz Fux devolveu o processo este ano, acompanhando o relator.

“A criatividade dos governantes tem que funcionar de acordo com a Constituição, sem despejar nos ombros do cidadão o ônus de um problema que nunca foi seu”, disse Fux nesta tarde. Ele defendeu formas alternativas de solucionar os débitos, como pedidos de empréstimos para a União. Seguiram Britto os ministros Rosa Weber, Cármen Lúcia, Celso de Mello e o presidente Joaquim Barbosa.

A divergência foi aberta ainda na semana passada pelo ministro Gilmar Mendes. Ele entendeu que as novas regras foram uma “vitória”, pois estados e municípios estavam conseguindo quitar as dívidas. Para o ministro Teori Zavascki, embora o novo regime não seja ideal, é um avanço em relação ao anterior, que não colocava percentuais de reserva no orçamento nem punições para quem não cumpria os pagamentos. Dias Toffoli também seguiu a divergência.

O ministro Marco Aurélio deu um voto médio. Ele concordou com algumas alterações da lei, como a adoção do prazo de 15 anos para vigência do regime especial – mas não mais que isso. No entanto, ele discordou que as regras especiais sejam aplicadas a precatórios a vencer. Posicionou-se contrário também ao método do leilão, que considerou uma “maldade” com os credores. Para o ministro, a única regra possível de pagamento é a ordem cronológica.

O ministro Ricardo Lewandowski também deu um voto médio. Ele disse que o regime especial não deve passar de 15 anos (e apenas com precatórios já devidos), mas não fez qualquer objeção ao sistema de leilões.



DEVER PRO GOVERNO É UMA DAS PIORES COISAS DO MUNDO POIS SOFRE EXECUÇÃO FISCAL ENTRE OUTRAS PUNIÇÕES ; JÁ O GOVERNO DEVER AO CONTRIBUINTE NÃO HÁ PROBLEMA ALGUM POIS PAGAMENTO EM PRECATÓRIO É O MESMO QUE SENTAR E ESPERAR ; SOU PEQUENO EMPRESÁRIO E TENHO UM CRÉDITO TRIBUTÁRIO DE ICMS À RECEBER NO VALOR DE 3800,00 (UM VALOR IRRISÓRIO PERANTE A ARRECADAÇÃO ESTADUAL) DESDE 2009 E A SECRETARIA DE FAZENDA SIMPLISMENTE FALOU QUE SE EU RECEBER MESMO QUE SEJA EM ABATIMENTO NO ICMS QUE EU ERGA AS MÃOS PARA O CÉU E AGRADEÇA ; ISSO É BRASIL; LAMENTÁVEL ESSA POLÍTICA TRIBUTÁRIA, PORÉM NÃO HÁ INTERESSE EM MUDAR E POR ISSO VAMOS CONTINUAR SENDO PASSADOS PARA TRÁS ; "QUEM SAIR POR ÚLTIMO APAGUE A LUZ"
 
EDGAR GARCIA em 15/03/2013 12:57:08
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions