A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

10/09/2015 10:31

Vereadora nega contato com Amorim e compra de votos para cassar Bernal

Aline dos Santos e Filipe Prado
Carla Stephanini será ouvida hoje em investigação do Gaeco. (Foto: Marcos Ermínio)Carla Stephanini será ouvida hoje em investigação do Gaeco. (Foto: Marcos Ermínio)

A vereadora Carla Stephanini (PMDB), que vai prestar depoimento hoje na investigação da Operação Coffee Break, afirma que não houve vantagens para que os parlamentares cassassem o mandato do prefeito Alcides Bernal (PP) em março de 2014.

“Vim prestar declarações. Mas não há nada, não há suposta vantagem obtida pelos vereadores para a cassação. Agimos com critério”, afirma a vereadora, que chegou ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), às 10h. Ela estava no carro do advogado e destacou que foi ao local na condição de testemunha.

A vereadora também afirmou não ter contato com o empresário João Amorim, dono da Proteco Construções, e apontado como um dos articuladores da cassação. Gravações da operação Lama Asfáltica, realizada pela PF (Polícia Federal) em 9 de julho, apontam que empresários, descontentes com a gestão do então prefeito, “patrocinaram” a cassação por meio de compra de voto dos vereadores.

Hoje, a primeira a prestar depoimento foi a ex-presidente da Fundac (Fundação Municipal de Cultura), que também exerceu a função de vereadora, Juliana Zorzo (PSC). À tarde, a partir das 14h, está previsto o depoimento do empresário Carlos Naegele, dono do Midiamax.

Amanhã, devem ser ouvidos o ex-governador André Puccinelli (PMDB) e o ex-vereador Cristovão Silveira.

Os treze - As denúncias são investigadas pelo Gaeco, que no dia 25 de agosto deflagrou a operação Coffee Break. Na ocasião, foram obrigados a prestar depoimento os vereadores Mario Cesar (PMDB); Edil Albuquerque (PMDB); Airton Saraiva (DEM); Waldecy Batista Nunes (PP), o Chocolate; Gilmar da Cruz (PRB); Carlos Augusto Borges (PSB), o Carlão; Edson Shimabukuro (PTB), Paulo Siufi (PMDB) e Jamal Salem (PR).

Além do ex-vereador Alceu Bueno, que renunciou após escândalo de exploração sexual, e os empresários João Amorim, Fábio Portela Machinsky e João Roberto Baird (proprietário da Itel Informática).



Essa mulher já tem cara de bruxa, agora eu vejo que tb é maquiavélica
 
Fabiano em 12/09/2015 10:04:48
A população já sabe em quem não votar.
Tem uma bela lista acima pra evitar , 13 é numero de azar nesse caso.
 
Flavio em 10/09/2015 19:53:52
Todos sabem quem patrocinou a campanha de Carla Stephanini foi o Italiano, mais um para defender os interesses do mafioso e seus cúmplices. Essa corja só engana as pessoas leigas, não vamos deixar passar esse povo de forma alguma por bem ou por mal...
 
Cadu em 10/09/2015 10:59:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions