A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

05/08/2014 17:03

Projeto disciplina destino de subproduto de usinas para combater mosca

Priscilla Peres e Leonardo Rocha
Poças de vinhaça que atraem moscas. (Foto: Divulgação/Sindicato Rural de Nova Alvorada do Sul)Poças de vinhaça que atraem moscas. (Foto: Divulgação/Sindicato Rural de Nova Alvorada do Sul)

Cerca de dez cabeças de gado morreram no município de Nova Alvora do Sul este ano, devido ao ataque das moscas de estábulo. Elas se reproduzem rapidamente na vinhaça, um substrato da cana-de-açúcar rico em material orgânico e que se acumula em poças e nas plantações. A mosca é considerada uma ameaça para os produtores das regiões que possuem usinas de açúcar e álcool e para minimizar sua proliferação, foi criado o Projeto de Lei nº 07/2013, que aguarda votação.

No ano passado, entidades ligadas aos produtores rurais e as usinas de cana-de-açúcar, desenvolveram o projeto de Lei nº 07/2013 que disciplina sobre o armazenamento, distribuição e aplicação da vinhaça gerada pelas atividades sucroalcooleiras, para evitar a proliferação da mosca do estábulo. O projeto de lei estabelece que a utilização da vinhaça como fertirrigação somente poderá ser aplicada em volumes determinados, distante mil metros dos núcleos habitacionais e não poderá promover a proliferação de moscas do estábulo. Além disso, estipula que indústrias deverão se adaptar com as novas determinações em três anos

O projeto aguarda para ser votado e sancionado desde o ano passado. A expectativa do deputado estadual Laerte Tetila (PT), autor do projeto, é que a votação por parte da CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) seja aconteça na próxima semana. O processo foi suspenso devido a inclusão de uma emenda que favorece as usinas de álcool e açúcar. O projeto ainda tem de passar pela Comissão de Meio Ambiente e pelo plenário para ser sancionada pelo governador André Puccinelli (PMDB).

De acordo com o deputado, a proposta foi feita após os produtores de Nova Alvorada do Sul perderem cerca de 200 cabeças de gado no ano passado. “Essas moscas se alimentam de sangue e atacam o gado, perfuram o couro e provocam sangramentos. Desesperado, o gado passa a se movimentar em círculo e deixa de se alimentar para se defender, ocasionando perda acelerada do peso, anemia e podendo causar a morte do animal”, destaca Tetila.

 

Produtores - Membro do Sindicato Rural de Nova Alvorada do Sul, Milton Barbosa Bueno esteve hoje na Assembleia Legislativa para pedir aos parlamentares que aprovem a lei que regula a vinhaça no Estado. “A situação é grave e tem afetado produtores não só de Nova Alvorada, mas também de Costa Rica, Dourados, Rio Brilhante e Maracaju”, conta ele.

Milton afirma que recorreu ao Ministério Público Estadual e Federal para que tomem providências sobre o caso. "Este ano a safra na cana começou mais tarde e por isso ainda são poucas mortes, mas o número tende a crescer", explica.

O projeto de Lei estabelece que a utilização da vinhaça como fertirrigação somente poderá ser aplicada em volumes determinados, distante mil metros dos núcleos habitacionais e não poderá promover a proliferação de moscas do estábulo. Além disso, estipula que indústrias deverão se adaptar com as novas determinações em três anos.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions