A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

30/10/2014 18:34

Sem acordo, prefeito propõe reajuste de 18% no IPTU e Câmara vai decidir

Priscilla Peres
Equipe econômica da prefeitura formada por secretários participou da reunião de hoje. (Foto: Marcelo Calazans)Equipe econômica da prefeitura formada por secretários participou da reunião de hoje. (Foto: Marcelo Calazans)
Mario Cesar falou sobre a falta de acordo do reajuste em nome dos vereadores. (Foto: Marcelo Calazans)Mario Cesar falou sobre a falta de acordo do reajuste em nome dos vereadores. (Foto: Marcelo Calazans)

Terminou sem acordo a segunda reunião entre a equipe econômica da prefeitura e os vereadores para tentar definir o valor de reajuste do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) para 2015. Na segunda-feira (3), o prefeito Gilmar Olarte (PP) encaminha para a Câmara o projeto com a proposta de aumento de 18% e a antecipação do vencimento do imposto de fevereiro para o início de janeiro.

Veja Mais
"Melhor índice é 27%", diz secretário antes de reunião sobre IPTU
Proposta para reajuste do IPTU 2015 ficará entre 18% e 23%, diz secretário

Com o projeto em mãos, os vereadores vão definir o valor do reajuste por meio de emendas e então o prefeito decide se sanciona ou não. O valor têm que ser definido até o fim da semana que vem para garantir o andamento do projeto e garantir que os boletos para pagamento do IPTU cheguem na casa dos contribuintes até 1° de dezembro, com vencimento para 9 de janeiro de 2015 e desconto de 25% para pagamento à vista.

"Na segunda-feira encaminhamos o projeto para os vereadores com os 18% por que não podemos abaixar mais do que isso. Eles poderão fazer as considerações deles, mas depois volta para o prefeito aprovar", explica o secretário Municipal de Receita, Ricardo Vieira Dias.

A prefeitura apresentou duas propostas de reajuste na reunião de hoje, com índices de 18% ou 23%, para o secretário de Finanças, André Scaff, qualquer um desses valores já está abaixo do ideal. "Precisaríamos corrigir a defasagem de 12,58% em relação ao IPCA-E (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo Especial) e 13,77% do Sinapi (Índices da Construção Civil), o que chegaria próximo aos 27%". diz.

Os vereadores consideram o índice de 18% alto e pedem um valor menor, porém a equipe econômica afirma que isso vai impactar diretamente no valor do orçamento para 2015, estimado em R$ 3,083 bilhões. "A arrecadação com o IPTU para o ano que vem está prevista em R$ 355 milhões, se o índice for menor do que consideramos ideal, o orçamento terá que ser refeito e os investimentos reduzidos", explica o adjunto de Finanças, Ivan Jorge.

Para o presidente da Câmara, Mario Cesar (PMDB), a prefeitura terá que rever toda a concessão de incentivos fiscais e as contrapartidas, para não prejudicar o contribuinte."A prefeitura não pode repassar para a população toda a defasagem de receita. Várias questão terão que ser revistas daqui pra frente, por que 18% de aumento é muito para o contribuinte", disse.

Mario Cesar se referiu aos incentivos fiscais dados pela prefeitura às empresas por meio do Prodes (Programa de Desenvolvimento Econômico e Social). A intenção dele é que sejam revistos os benefícios e investimentos em várias áreas, para diminuir as despesas que a prefeitura tem atualmente.

O secretário Scaff reafirmou o que Olarte já havia dito, de que os investimentos variam de acordo com a receita. "A receita da prefeitura depende basicamente de dois impostos, o ISS e o IPTU, se reduzimos muito isso não teremos recursos suficientes durante o ano para fazer investimentos em várias áreas", disse, ao lembrar que o pedido de reajuste do IPTU para 2015 só leva em consideração a defasagem de três anos, sem mexer com a planta genérica de valores.

O secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, João Alberto Borges, que também participou da reunião disse que há cerca de 10 anos a planta genérica dos imóveis não é atualizada e que hoje a defasagem varia de 30% a 3 mil%. "Ao longo dos anos foi feita atualização de algumas áreas, estamos muito longe do valor real. E hoje, o que pedimos é apenas a reposição de índices".




Quando era candidato a vice-prefeito o discurso era outro “Vamos congelar o IPTU", Agora vem falar em reajuste de 18%. Prefeito muito fraquinho.
 
Leandro em 31/10/2014 11:02:41
Agora é hora de irmos todos para Câmara, esses vereadores qdo é para votar a favor da população eles não fazem nada, não pode deixar subir tanto assim o IPTU, nós não tivemos reajuste de salário, agora vem esse prefeito e sobe tanto assim nosso IPTU, a troco do que? Estou revoltada e indignada, e o pior, eles podem tudo, fazem o que querem e nos temos que pagar até pelas mazelas desses....
 
euzinha em 31/10/2014 10:25:04
A prefeitura gasta mais do que tem, faz obras e não termina, ou seja, joga dinheiro no lixo, e agora quer que o cidadão de bem, que já trabalha e paga imposto de tudo que é lado, assuma as contas da prefeitura? Tá errado, corta gastos de outro lado, manda embora servidor que tá encostado e não faz nada o dia todo, enfim, ache outros meios, o cidadão não é reponsável pelos devaneios da prefeitura, já estão falando em cortar o desconto de pagamento a vista, aí sim é que a prefeitura vai pro buraco de uma vez, pois se cortar o desconto só quem for imbecil vai pagar a vista.
 
Max em 31/10/2014 08:19:52
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions