A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 20 de Janeiro de 2018

11/04/2013 13:23

... 100 dias!

Antônio Cézar Lacerda Alves,(*)

A emblemática marca dos “100 dias”, geralmente apregoada como tempo razoável para se aferir o desempenho de um mandatário eleito pelo povo, foi atingida. E agora? E o Bernal? Como a atual administração municipal de Campo Grande se desincumbiu de sua missão nestes primeiros 100 dias de governo?

Antes de emitir a minha opinião faço questão de reiterar o que disse outrora, num outro artigo: “Eu amo Campo Grande, e a amo como amam os poetas: apaixonadamente, loucamente... Amo-a como amam os soldados que morrem por suas pátrias; como os animais paridos na defesa de suas crias. É assim que amo Campo Grande, essa terra que serviu de berço aos meus filhos, que hoje me serve de abrigo e que amanhã servirá de leito para meu derradeiro descanso”.

Então, com o respaldo desse extremado amor, que legitima a minha intenção, passo, a partir de agora, a expender algumas considerações cerzidas com o fio de angustiantes preocupações sobre todas as coisas que tenho acompanhado a respeito da administração municipal nestes últimos 100 dias.

Estou profundamente preocupado. A paisagem é desalentadora. Campo Grande, que se acostumara, por conta das excelentes administrações das últimas décadas (Lúdio, Juvêncio, André e Nelsinho), com os efeitos contagiantes de um progressivo e célere desenvolvimento, está se sentindo, nestes últimos dias, como nau sem bússola (sem rumo), em mar aberto e sob um céu de negras nuvens, pois aquele que foi escolhido no último pleito eleitoral, para zelar e dela cuidar, está se engalfinhando com os vereadores numa batalha de egos sem precedentes na história da cidade.

Esse tipo de pendenga é totalmente inútil e despropositada. Nela não há vencedores, só vencidos – principalmente, o povo. Tudo faz crer, pelas atitudes que vem tomando, que o prefeito Bernal seja o único responsável pelo imbróglio. Ele ainda não se deu conta do tamanho e nem da importância do cargo que, por decisão do povo, está exercendo. Ele ainda continua no palanque da distante eleição do ano passado. Ele precisa entender que nas democracias o poder é exercido através do diálogo. Esse discurso de que “a caneta está em minhas mãos e agora vocês vão ver...”, não se aplica às democracias.

Por conta de tudo isso, e como munícipe que ama sua terra, faço um apelo ao prefeito eleito para que ele se desarme e se desgarre do passado. É lição comezinha na cartilha do bom político que eleição finda não serve para mais nada e que mandato popular, principalmente no âmbito do executivo, deve ser endereçado a todos.

Então, senhor Prefeito, estamos todos esperando que o senhor se comporte como verdadeiro mandatário de um poder que lhe foi conferido pela vontade popular e, desta feita: a) busque, através do diálogo, firmar um pacto de paz com o legislativo para, juntos, trabalharem em prol do desenvolvimento da nossa cidade; b) que o senhor estabeleça um relacionamento respeitoso para com as demais autoridades constituídas; c) que o senhor ponha em prática as promessas de campanha, principalmente a contratação de mais médicos, pois ao longo desses 100 dias do seu mandato, além dos médicos, até os remédios desapareceram dos postos de saúde; d) que o senhor não permita que falte merenda para as nossas criancinhas nas creches; e) que o senhor esqueça o facebook e, realmente, tome assento na elevada e honrosa cadeira de prefeito da nossa tão amada cidade Morena. É isso que ela e nós, o povo, esperamos...!

(*) Antônio Cézar Lacerda Alves, advogado

Do café à soja, uma Nação-moleque?
Em geral não é verdade histórica que os gastos do governo travam a economia no Brasil. Uma série histórica longa, com dados cruzados do desenvolvimen...
Surpresas
Estas primeiras semanas do ano são de sustos. Os primeiros chegam via correio, os carnês, os impostos, as cobranças; mas há os que chegam pela intern...
A hiena Hardy, a Síndrome do Avestruz e o Inovar-Auto
Quem não se lembra da hiena Hardy, o personagem dos quadrinhos Hanna-Barbera que só reclamava da vida, que jamais sorria...? ”Oh céu, oh vida...!”. E...
Missão de mãe
Sem nossas mulheres não seríamos o que somos. A influência da mulher em nossas vidas é fundamental para que possamos realizar o melhor possível. Fala...


Tem gente que ainda acredita, e aposta numa força divina, esperando que alguma coisa mude ao amanhecer... Expectativas de melhorias da nossa cidade? Se apagaram com o fim das promessas inflamáveis da eleição passada. A campanha passou. Foi bom enquanto acreditamos.
 
Adriano Humberto Ferreira de Souza em 19/04/2013 20:58:27
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions