A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019

02/07/2019 12:01

A crise é severa

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Estamos enfrentando um tipo de crise mais severa por alastrar-se a vários setores e a diversas regiões do mundo como, por exemplo, os coletes amarelos de Paris, a crise dos refugiados da Síria, os desacordos na Inglaterra com a questão do Brexit relativa à saída daquele país da União Europeia, os ataques a petroleiros no golfo de Omã, e no Brasil endividado surgem muitas confusões como greves e paralisações.

Não está fácil entender o que acontece no nosso país e sua atual economia errática. Estamos ficando para trás na guerra econômica global. Os argumentos e análises se tornam eleitoreiros, sem que haja esforço para a compreensão das causas do atraso geral. O país do futuro fica amarrado na mesquinharia dos políticos. É como disse Getúlio Vargas, todos querem alguma coisa para si e para seus amigos, nunca para o bem do Brasil.

Desenvolvimento e aprimoramento da humanidade se tornaram secundários, tudo se tornou questão de dinheiro. Urge fortalecer a vontade para fortalecer o humano. A evolução da humanidade e a produção de bens requerem liberdade e responsabilidade. Muitas pessoas acusam o capitalismo como responsável pela geração das misérias, mas antes de surgir esse e outros sistemas econômicos, o homem já tinha se afastado do espiritual, dando mão livre ao seu egoísmo e cobiças.

O problema real se situa no afastamento da espiritualidade, resultando nos sistemas desequilibrados como consequência. O reequilíbrio só poderá ser reconquistado com a busca sincera do saber sobre o significado da vida e da integração Espírito-Alma-Corpo. Há no mundo muita tristeza; falta a alegria e a coragem do espírito desperto. É preciso ser forte. Mas onde se escondeu o espírito que deveria agir embelezando e beneficiando tudo?

Os seres humanos se matam por poder e dinheiro, o que mais falta é a generosidade do coração. Quase nada foi entendido sobre os esclarecimentos de Jesus a respeito da vida. Ele não tinha qualquer pretensão ao poder, cargo ou honrarias terrenas, pois seu reino não é o perecível e transitório mundo material ofertado à humanidade para que pudesse evoluir espiritualmente, e não para aqui vir e portar-se como dono no curto período da existência terrena.

O Brasil é tido como país abençoado com povo amigo, respeitador, que possui a magia de unir todas as raças, de todos os credos. Bendita seja a pátria chamada Brasil. Isso tudo impõe alta dose de responsabilidade. Que seu povo atraia a Luz do bem. Temos de deixar de ser país subdesenvolvido espiritual e materialmente. Temos de adquirir discernimento para seguir nosso destino. Para isso precisamos de adequado preparo para a vida, desde a primeira infância.

O fluxo de caixa do governo vem sendo detonado há décadas. Não há poupança. O crédito é raro e caro. O governo arrecada uma fatia gorda e deveria dinamizar a economia com bons investimentos. Nos anos 1980, havia a dívida em dólares e como esforço para o resgate havia o lema “exportar é o que importa”, mas isso acabou sendo descuidado e os empregos foram sumindo. Hoje, o Brasil permanece exportando commodities. A renda é baixa e está encolhendo, faltam capitais produtivos. Os investidores privados têm sido ágeis em fazer aquisições lucrativas e obter ganhos especulativos, mas na economia ainda não surgiram resultados positivos, em compensação aumenta o passivo na remessa de lucros e a dependência a interesses externos. O PIB precisa crescer e gerar empregos.

O cenário internacional se complica. A crise se agrava. Cada grupo cuida de seus interesses, sem encarar os problemas e suas causas para encontrar as soluções. O governo tem uma arrecadação tributária expressiva, mas planeja mal, gasta tudo e ainda fica devendo, pouco investe e mesmo esses investimentos têm sido realizados de forma estúpida e com desvios. Milhares de obras foram iniciadas e interrompidas, é quase como se o dinheiro tivesse sido jogado fora.

A gestão governamental tem sido precária e sem planejamento. Atabalhoadamente tenta-se reduzir o déficit fiscal. Foram tantos erros que agora poucos se arriscam a fazer sugestões. Muitas pessoas preferem engrossar as críticas que nada resolvem, mas engrossam o clima de incerteza quanto ao futuro do Brasil, que ainda não achou o caminho sadio da recuperação com participação e o apoio de todos.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida.

A humanidade e o poder
Para enfrentar a limitação de recursos da natureza, os humanos têm que superar o egoísmo e encarar a vida com seriedade e solidariedade, estabelecend...
Diálogo de surdos
Imaginem a cena: um professor que repete, repete, repete, sempre da mesma forma, um mesmo conteúdo, em diversas classes, imaginando ter feito a parte...
Eu, professor
Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu. Senti ali, pela primeira vez, a urgência do c...
Os postulados básicos
  Os efeitos da Era de Aquário que já estão se manifestando visivelmente em todo o nosso planeta conduzirão a humanidade para seu destino verdadeiro:...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions