A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

17/12/2017 13:50

A pior reforma

Marilena Lazzarini

A comissão da Câmara dos Deputados que reforma a lei que rege os planos de saúde vota nesta quarta-feira (29), sob infundado regime de urgência, o substitutivo do relator, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), que atende a demanda do governo e operadoras sob enganosa justificativa de desonerar o Sistema Único de Saúde (SUS).

Reformar lei sobre tema tão sensível requer amplo e aprofundado debate, o que não ocorreu. Seu foco é ampliar a segmentação da oferta de planos, em grave conflito com o conceito de integralidade da atenção à saúde, uma vez que o cidadão não tem como prever as doenças que irá enfrentar.

Na discussão, não foram contemplados os problemas que mais afetam os usuários: negativas de cobertura, preços abusivos ou a permissão de reajuste de 500% por mudança de faixa etária. O setor é um dos campeões de reclamações, e o Judiciário tem sido o único alento do consumidor nas horas difíceis.

A orquestração entre setor econômico, governo e órgão regulador foi perfeita. Em julho de 2016, o ministro da Saúde defendeu a ideia de planos mais populares. A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), em agosto, anunciou não haver impedimento para atender à demanda, mas sinalizou que uma mudança na lei garantiria mais segurança jurídica.

Entidades do setor levaram ao ministro o que precisava ser mudado para viabilizar a oferta de planos simplificados, sem internações de urgência e emergência, hospital dia e exames de diagnósticos mais complexos. Ainda sugeriram planos regionalizados, cobrindo apenas serviços disponíveis naquele município. Para isso também precisavam de alterações na lei, de modo a garantir "segurança jurídica".

O relator fez a sua parte. Ao tratar da portabilidade, viabiliza a retirada da cobertura hospitalar de urgência e emergência para o novo plano ambulatorial simplificado.

Para respaldar a ANS a reduzir as coberturas dos novos produtos, o substitutivo inclui o dever de obediência à "segmentação contratada". Isso significa limitar a abrangência do Código de Defesa do Consumidor, que tem sido uma "pedra no caminho" das operadoras.

A proposta ainda abre caminho para que o rol de procedimentos de saúde seja um "teto" para as coberturas obrigatórias, na contramão do entendimento da Justiça, que o trata como um indicativo. Cria empecilhos para a inclusão de novos procedimentos no rol da ANS e facilita a redução da rede assistencial.

Tem mais: diminui o valor das multas aplicadas pela ANS às operadoras e, para dificultar a concessão de liminares, obriga o juiz a ouvir um perito antes de se pronunciar.

Para tentar camuflar medidas tão negativas, a proposta contém outras de caráter cosmético, como a oferta "obrigatória" de planos individuais, inócua, porque as operadoras estarão livres para ofertar esses planos a preços inviáveis ao consumidor. Isso, aliás, já acontece.

Para os idosos, apregoa o "benefício" de parcelar o aumento da última faixa etária, o que, na melhor das hipóteses, adiará a expulsão do idoso do seu plano por poucos anos, atingindo-o em momento de maior fragilidade, o que é desumano.

Os idosos estão sujeitos a outros reajustes, e as operadoras encontrarão meios para antecipar receitas. Se queria beneficiá-los, então, deveria ter proposto uma redução no absurdo patamar de 500% de reajuste em vez de incorporar esse percentual à lei, o que deixa a Justiça de mãos atadas para julgar a abusividade de cada caso.

Se for aprovado, as empresas certamente verão seus lucros crescerem, os problemas dos consumidores aumentarão, o SUS continuará sendo onerado, e o Judiciário, única esperança que resta àqueles que forem lesados, terá mais dificuldade de conter os abusos. Se aprovado, será pior para todos nós.

*Marilena Lazzarini, presidente do conselho diretor do Idec

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions