A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

05/11/2014 15:26

A revolução da internet das coisas

Por Dane Avanzi (*)

A internet das coisas, nome dado à futura geração de eletroeletrônicos, veículos automotores e qualquer outro tipo de dispositivo capaz de se comunicar via TCP/IP, compartilhando informações e interagindo com outros dispositivos, é literalmente a "bola da vez" no planejamento estratégico de grandes e pequenas empresas em todo o mundo.

O Google, por exemplo, que já tem investido pesado há anos no projeto do automóvel sem condutor guiado por GPS, comprou recentemente a Nest, empresa de termostato, por US$ 3,2 bilhões. Dentre outras inovações e interações, a próxima versão do sistema operacional do smartphone da Apple, o iOS 8, permitirá que você controle dispositivos smart-casa a partir de seu iPhone.

Com a possibilidade de integrar o protocolo TCP/IP a dispositivos dos mais comuns aos mais sofisticados, desde uma cafeteira a um automóvel, a internet das coisas pode criar diferenciais competitivos para todos os tipos de indústrias. Nesse contexto, muitas empresas estão se unindo para unificar o padrão tecnológico e alinhar aspectos técnicos que deverão ser comuns à todos os dispositivos.

Para tanto, mais de 40 organizações, incluindo British Telecom, IBM, Google, uma série de startups e universidades, estão trabalhando conjuntamente para permitir que sensores e dispositivos possam compartilhar dados automaticamente com muito mais facilidade e viabilizar a popularização e disseminação da internet das coisas.

Eles apelidaram tal projeto de HyperCat. O grupo espera poder incentivar uma internet das coisas com base em padrões abertos que possibilite o acesso de pequenos players, ao invés de um modelo no qual todos os dados estarão limitados por padrões e aplicativos ligados a produtos de grandes empresas. Grandes empresas, geralmente usam a estratégia de criar sistemas operacionais, protocolos e padrões próprios, que não se comunicam com o de concorrentes. Exemplo clássico, Windows e Apple.

O projeto HyperCat formou oito equipes com foco em diferentes mercados no qual a internet das coisas poderiam trazer benefícios, tais como educação, veículos, aeroportos e cidades inteligentes. Os grupos utilizaram a especificação HyperCat para criar interoperabilidade dentro de seu cluster e, em seguida, entre os clusters. O projeto já trouxe resultados tangíveis com redução de custos de energia e geração de outras informações, incluindo a disponibilização de dados que outros possam usar.

No entanto, padronização de protocolos é apenas um dos desafios dessa nova tecnologia. Estamos hoje na transição do IPV4 para o IPV6, sistema que gerencia a quantidade de IP's existentes em toda a internet hoje. Com a internet das coisas, a quantidade de endereços IP's crescerá exponencialmente, pois cada dispositivo terá um endereço na rede. Outro desafio, esse bem mais difícil de suplantar, é que todos os dispositivos utilizarão o espectro radioelétrico para se comunicar. Ocorre que o espaço radioelétrico é um recurso natural finito, escasso e não renovável. Hoje a situação já é bem crítica.

Seja como for, esse não é o primeiro desafio de padronização de tecnologia do homem no que tange a evolução das telecomunicações. O primeiro da história, que coincide com a criação da UIT (União Internacional das Telecomunicações) em 1854, ocorreu por ocasião da padronização das linhas telegráficas. Na época, cada país tinha uma codificação e um padrão de telégrafo.

Recentemente, a própria internet só alcançou abrangência global quando fabricantes de produtos de informática e telecomunicações padronizaram o protocolo TCP/IP, pois inicialmente a grande variedade de protocolos não possibilitavam a interoperabilidade entre dispositivos. Dessa vez, não será diferente. Não obstante as dificuldades, a capacidade de criação humana engendrará uma nova tecnologia que trará profundas transformações no estilo de vida das pessoas e na maneira de se relacionar com a internet e a própria existência.

(*) Dane Avanzi é vice-presidente da Aerbras - Associação das Empresas de Radiocomunicação do Brasil.

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions