A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

07/12/2017 07:12

A um clique da tragédia

Por Ronilson de Souza Luiz (*)

Faz parte das atribuições do educador apontar prognósticos sobre a vida em sociedade, especialmente, sobre os dramas humanos. Nesse sentido, por conta da diagnosticada dependência emocional e até física da internet, valerá abordarmos o tema.

Historicamente, o homem enxerga-se no que ele produz e na medida que percebe suas capacidades segue trabalhando para se sentir útil e participante. Ocorre que temos o grupo “nem nem” nem trabalha e nem estuda. São pessoas que ficam conectadas por mais de um turno de serviço, criando uma perigosa dependência de sites de entretenimentos, de relacionamentos e outros.

Como alerta o psiquiatra Neury Botega, da Unicamp, “há perigos, principalmente para o jovem mais vulnerável, que sofre e não tem formas de pedir ajuda e está perdido em si mesmo, sentindo-se isolado. Pode ser alguém em depressão, o usuário de drogas, aquele com família disfuncional ou com humor muito instável”.

Pense no indivíduo angustiado, melancólico, baixa autoestima, desempregado e sem acesso a bens culturais. Ao consultar seu reduzido grupo de “amigos” nota que determinada pessoa lhe exclui. A notícia pode causar tamanho impacto, que gera uma tragédia. Ocorre que quem apagou, quem deletou cometeu um erro, ou seja, deu um clique errado. Contudo, seu pequeno equívoco, que um telefonema outrora resolveria, gerou dores, lágrimas e familiares tardiamente reunidos para contemplar o vazio, ao lado do caixão.

Os mais frágeis são aqueles que creem fielmente naquilo que a mídia e o consumo lhe prometem sem cessar: a satisfação imediata dos desejos, a promessa ilimitada de juventude, saúde, beleza, sucesso e felicidade.

Finaliza o especialista “é preciso entender que a tentativa de suicídio, muitas vezes, não objetiva a morte. Ela traz uma mensagem: eu não aguento mais esta situação, não consigo transformar meu sofrimento em palavras e ações construtivas”. A valorização do fator humano é pressuposto básico de todo projeto de desenvolvimento.

Lembre-se outubro (rosa), novembro (azul), dezembro (vermelho) e prudência permanente. Pense nisso, convoque e escute filhos, familiares, amigos e colegas de serviço, trabalho ou profissão. Bons ventos.

(*) Ronilson de Souza Luiz, professor, palestrante e doutor em educação pela PUC-SP (profronilson@gmail.com)

A pior reforma
A comissão da Câmara dos Deputados que reforma a lei que rege os planos de saúde vota nesta quarta-feira (29), sob infundado regime de urgência, o su...
A resistência negra brasileira também é mulher negra camponesa
Ao pensarmos na constituição da classe trabalhadora brasileira devemos considerar a combinação da relação entre patriarcado e racismo no capitalismo,...
Agrotóxicos como arma química: a permanente guerra agrária no Brasil
Os conflitos no campo brasileiro se assemelham à guerra. Guerra agrária que sempre foi latente e cuja base é calcada na formação socioeconômica depen...
O embate entre o conhecimento e a ignorância
O matemático e filósofo britânico Bertand Russell, um dos mais influentes pensadores do século XX, dizia que o maior problema do mundo moderno é que ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions