A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 26 de Maio de 2017

25/12/2012 09:51

Anabolizantes: problema de saúde pública

Po José Hiran Gallo (*)

No mundo contemporâneo, a estética se impõe de forma agressiva, muitas vezes colocando em xeque os valores e a saúde de indivíduos e da coletividade. Trata-se de uma ditadura que transforma editoriais de moda, novelas e academias de ginástica em trincheiras da guerra para definir o que é belo e o que é não é.

Nos anos 60, as mulheres queriam ser como Marta Rocha, que perdeu o título de Miss Universo por conta de duas polegadas, e o ídolo dos rapazes era John Wayne, reconhecido mais pela postura e caráter que por seus dotes físicos. Cinquenta anos depois, os padrões são outros, o que faz os seres humanos normais sofrerem com os humores das indústrias da moda e do entretenimento. Perde-se peso e alonga-se a silhueta num dia para em seguida correr atrás de músculos e massa muscular.

Para atingir essas metas – quase humanamente impossíveis – os incautos têm lançado mão de um arsenal químico, aparentemente inofensivo e bem intencionado, mas que provoca consequências devastadoras nos organismos de seus usuários. Os esteroides anabolizantes (EA) são drogas, em sua maioria, têm como função principal a reposição da testosterona. Isso ocorre nos casos em que, por algum motivo, tenha ocorrido um déficit desse hormônio.

Além dessa finalidade específica, reconhece-se suas capacidade de estimular o aumento da musculatura, o que os torna objeto cobiçado por atletas e pessoas que querem ganhar força e melhorar o desempenho esportiva ou a aparência física. No entanto, em busca da imagem e dos resultados tão sonhados, muitos entram em terreno delicado, colocando em risco seu bem estar e a própria vida.

De acordo com a Secretaria Nacional Antidrogas (Senad), no Brasil, aproximadamente 0,3% da população entre 12 e 65 anos já fez uso destas substâncias pelo menos uma vez na vida. Entre estudantes de Ensino Médio e Fundamental esta taxa sobe para 1%. Os estudos mostram que o consumidor preferencial fica na faixa etária de 18 a 34 anos de idade e, em geral, é do sexo masculino. Na década de 90, nos Estados Unidos, levantamentos indicavam que mais de um milhão de jovens já tinham feito uso de esteroides anabolizantes.

Muitas vezes vendidos em academias ou farmácias, sem receita médica, essas drogas se tornaram obsessão e objeto de desejo para milhares de pessoas que desconhecem uma triste realidade: ao ingeri-las dão passos sobre o fio da navalha que separa a saúde da doença, a vida da morte. A irresponsabilidade chega ao ponto de se promover entre os adeptos o consumo de fórmulas próprias ao uso veterinário.

Para constar: entre os principais efeitos do abuso dos esteroides anabolizantes constam tremores, acne severa, retenção de líquidos, dores nas juntas, aumento da pressão sanguínea, DHL baixo (a forma boa do colesterol) e tumores no fígado. Não se pode ignorar que aqueles que injetam essas drogas em decorrência do perigo de compartilhar agulhas e seringas ainda estão expostos ao risco de contrair doenças infectocontagiosas.

Mas os problemas não cessam aí. Há os efeitos crônicos causados pelo consumo indevido desses produtos. Nos homens, pode causar a redução na quantidade de esperma, a calvície, o crescimento irreversível das mamas (ginecomastia) e a impotência sexual. Nas mulheres, são reforçados os sinais da masculinidade (voz grossa, crescimento de pelos pelo corpo e no rosto, redução nos seios). Se o consumo começa cedo, na pré-adolescência, o crescimento pode ser interrompido deixando o usuário com baixa estatura.

Em qualquer idade ou sexo, os efeitos adversos incluem o aumento no risco de aparecimento de tumores (câncer) no fígado; de alterações nos níveis de coagulação sanguínea e de colesterol; de crises hipertensivas e cardíacas; doenças de pele; e aumento da agressividade, que pode resultar em comportamentos violentos, às vezes, de consequências trágicas.

A população em geral deve estar consciente destes e outros riscos para não sucumbir ao que é de aparência tão inofensiva e com resultados tão nobres. A perda de peso e o ganho de massa muscular resultam de trabalho duro, de médio-longo prazo, mas que se conduzidos da forma correta, permaneceram por muito tempo.
Da mesma forma, cabe aos responsáveis pela Vigilância Sanitária fechar o cerco ao uso dessas drogas. É preciso fiscalizar academias e farmácias e tratar os que as comercializam como traficantes, penalizando-os exemplarmente pelo mal que causam. Temos que acabar com a percepção de que o emprego de anabolizantes provoca invencibilidade e reforçar o cinturão ético e moral que nos cerca para impedir a desestruturação social em função dos apelos efêmeros de uma estética doentia.

*José Hiran Gallo é tesoureiro do Conselho Federal de Medicina (CFM).

O futuro da educação começa agora
Você, com certeza, já se pegou perguntando, em tom de curiosidade, para onde as mudanças desse mundo vão nos levar e qual será o destino das próximas...
Capitalismo de compadrio e corrupção sistêmica
Reza o bom senso que o Estado não deve tratar empresas nem bondosa nem cruelmente demais. Naquilo que tem de bom, a sabedoria proverbial vislumbra os...
Universidades inovadoras também devem inovar a si mesmas
A universidade pública demanda por uma revisão de valores com o objetivo de atender aos novos desafios relacionados ao seu papel. A estrutura lenta, ...
Arroz e trigo: relações de valores agrícolas e industriais
Aumentar a oferta de dois alimentos básicos da população brasileira – arroz e trigo – de forma economicamente sustentável é um sério desafio. Os dois...



Hã pouco faleceu um atleta de certa projeção, coração. O filho de um amigo comentou: treinava com ele, tomava anabolizante. Sempre haverá alguém fraco da cabeça e que tomará essa ou outras porcarias, que há de se fazer, não deixa de ser formas de "se aparecer". Não existe a "roleta russa"? Agora, o mais importante: existe no Brasil alguém preso ou que tenha tido seu estabelecimento fechado por fornecer isso para jovens? Quando a Lei se impõe, como no caso do julgamento do Mensalão, jã não há um movimento nacional para transformar os marginais em heróis e o STF em bandido? Seremos mesmo o "país da piada pronta"?
 
Valfrido M. Chaves em 31/12/2012 07:56:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions