A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 15 de Outubro de 2019

14/06/2017 09:57

Arroz com feijão

Por Walter Roque Gonçalves (*)

Antes de sofisticar as análises e ferramentas administrativas é preciso centrar-se no "arroz com feijão" empresarial.Trata-se de questões básicas para equilibrar as influências externas e internas em relação às empresas. Quanto aos fatores externos, segundo Alexandre Schwartsman, o recente resultado positivo do PIB (Produto Interno Bruto) ainda não é motivo para comemorar.

O 1 % conquistado tem a força da agricultura brasileira. Enquanto os outros fatores como confiança empresarial, investimentos, geração de emprego, reformas, exportações, ainda carecem de melhorias. Ainda no âmbito externo as dificuldades, como por exemplo, a vizinha Venezuela, que deve bilhões aos empresários brasileiros ou mesmo o "furacão Trump" e suas contendas devem ser levadas em consideração.

Quanto aos fatores internos, há de se observar que muitas empresas ainda enfrentam o choque do modelo de gestão, de quando começaram pequenos, em relação aos atuais desafios que geram a grande empresa.

Este choque entre o modelo antigo e a nova realidade da organização pode ser tão decisivo para a sobrevivência dos negócios quanto às questões externas apontadas no início do artigo. A falta de comunicação e mal-entendidos ainda geram prejuízos que podem ferir e sangrar até a morte os negócios.

Para resolver esta questão as ordens precisam ser concisas, diretas e objetivas. Pedir para o funcionário repetir a ordem dada é uma forma de verificar se a comunicação realmente foi bem-sucedida. Deixar as orientações registradas em documentos ou mesmo em e-mails também ajudam a resolver possíveis mal-entendidos e geram ferramentas para a gerência acompanhar a execução das tarefas.

As incertezas que enfrentamos atualmente exigem mais consistência, agilidade e capacidade de adaptação das equipes. Do que adiantará definir um rumo para a empresa e alinhá-la com a realidade nacional e internacional da economia sem que a equipe reaja, em tempo hábil, às mudanças solicitadas?

Comunicação interna, funções e cargos bem definidos, gerência atuante e capacitada para planejar, dirigir, checar e organizar; gestão de fluxo de caixa e DRE's, entre outros, realmente são questões básicas que não podem ser deixadas de lado! Empresas do mundo inteiro, e dos mais variados tamanhos, precisam equilibrar seus esforços nas análises de questões externas e internas que podem gerar oportunidades ou ameaças aos negócios. Mas, sem se esquecer do “arroz com feijão” empresarial.

(*) Walter Roque Gonçalves é consultor de empresas, professor executivo/colunista da FGV/ABS (FGV - América Business School) de Presidente Prudente

O impeachment nos EUA e no Brasil
O impeachment é um instituto elaborado pelo sistema jurídico-político britânico e que se faz presente tanto nos EUA quanto no Brasil. Ainda que a ori...
A beleza de ser professor
Transformar sonhos em realidades, ser "ponte" onde esses sonhos caminham no cotidiano de grandes desafios e conquistas. Quando buscamos o significado...
As lições a serem aprendidas com o lago do Parque das Nações Indígenas
“Nesta terra molhada”, após 5 meses com inúmeras iniciativas, do governo e sociedade, o lago artificial do Parque das Nações está voltando a produzir...
Gestão pública é o caminho contra a corrupção
A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974. Ou seja, esse mal é algo comum e enraizad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions