A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019

03/07/2019 07:10

As dificuldades do Brasil

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Parece que o Brasil está correndo o sério risco de ser jogado no grupo de países com atraso geral, sem rumo, sem autonomia. Poucas pessoas estão percebendo e se esforçando para evitar a consumação do declínio. Desde a trágica gestão de Fernando Collor tem faltado patriotismo e seriedade, mas neste momento é preciso entender o que se passa nos bastidores internacionais. Precisamos de união em defesa do país.

O que acontecia até 2014 no Brasil? O governo mirava a reeleição, injetava dinheiro que não tinha e segurava o dólar com swap cambial. Tudo rodava no “toma lá dá cá” entre os poderes. As importações iam bem enquanto a produção permanecia estagnada. Apesar do artificialismo, circulava mais dinheiro. Após a reeleição, com a dívida lá em cima, a fonte secou. A guerra comercial aumenta a turbulência na economia. O que fazer para produzir e empregar mais?

Onde estavam os congressistas no governo de Dilma Rousseff, do PT? No período entre 2012 e 2017 a dívida incorporou juros em mais de dois trilhões de reais, questão de suma gravidade, mas pouco se falou. Assim a dívida gorda travou tudo e se tornou tão avassaladora que agora os governantes se acham diante de grandes obstáculos para destravar o país para produzir, gerar empregos, melhorar a renda, fortalecer o Brasil. Os principais problemas do atraso: má conduta nas finanças públicas, câmbio valorizado, exportação de empregos, juros elevados e despreparo educacional.

A economia deveria andar independente do governo. O livre mercado é que teria de planejar e produzir, visando atender as necessidades da população. No capitalismo de Estado, o governo exerce forte influência no planejamento da produção. A economia global adentra no túnel escuro para o qual foi direcionada. A máquina chinesa de produzir conta com a estratégia de Estado, não de uma só multinacional, e produz quantidade, qualidade e preço. Competir torna-se uma tarefa muito difícil no grande tabuleiro da globalização.

A guerra comercial deste século é diferente da fria que tinha o confronto ideológico pelo poder mundial como pano de fundo. Na atual guerra morna pelo poder, estão envolvidos fortes interesses econômicos que vão interferindo em todas as atividades e nas relações que envolvem poder e dinheiro. E tudo vai sendo afetado pelas disputas e retaliações. A humanidade adentra num período de gravidade maior do que as anteriores.

Essa situação já vinha de longe, mas não se dava muita atenção; de repente se percebe que o endividamento mundial cresceu muito. A questão da dívida deveria ser solucionada de modo a possibilitar desenvolvimento econômico mais equitativo em oposição à crescente precarização geral resultante do encolhimento da renda. A moeda forte se tornou o objetivo de todos. Países que não conseguiam manter o equilíbrio, caso dos emergentes, tinham de captar em moedas estrangeiras, interferindo na política cambial.

As recorrentes desvalorizações cambiais provocavam crises e recessões. Japão e Coreia do Sul tiveram a visão de que deveriam produzir e exportar como meio de captar a moeda forte. A China, observando tudo, elaborou seu planejamento extraordinário e acumulou fabulosa reserva em dólares, mas a consequência foi a desindustrialização em muitos países, Brasil inclusive, e desemprego. A pergunta é: como consertar esse desequilíbrio?

Nas últimas décadas, vimos no palco da vida um falso jogo de cenas, enquanto nos bastidores os personagens urdiam planos de partilha do butim. Com a expansão dos abusos como coisa normal, rompeu-se a cortina, pondo a descoberto as mazelas tramadas às escondidas, expondo-as para lavagem geral. No mundo ocorre a luta entre os que querem se esconder no abrigo das cortinas e os que desejam abri-las ainda mais. A tendência é que caiam todas as cortinas encobridoras da verdade, mas o que se verá não será bonito, agravado por lutas para manter uma situação que não se sustenta mais. Os homens se digladiam para encobrir a verdade e se manter no poder.

Durante décadas, o Brasil tem caminhado passivamente como massa sem futuro, rumo ao abismo. Bastou a tomada de consciência de que o país é mais do que foi legado, de que os brasileiros são mais do que pão e circo e começou a gritaria contra aqueles que lançam a Luz da Verdade para enxergar o caminho seguro da retidão.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida.

As lições a serem aprendidas com o lago do Parque das Nações Indígenas
“Nesta terra molhada”, após 5 meses com inúmeras iniciativas, do governo e sociedade, o lago artificial do Parque das Nações está voltando a produzir...
Gestão pública é o caminho contra a corrupção
A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974. Ou seja, esse mal é algo comum e enraizad...
A virtude da temperança
Não haverá Paz duradoura enquanto prevalecerem privilégios injustificáveis, que desonram a condição humana, pela ausência de Solidariedade, que deve ...
MS: Um novo salto de desenvolvimento
A história de Mato Grosso do Sul não é uma linha reta. Ela vem sendo escrita, no curso do tempo, por diferentes protagonistas, por meio de um caminho...


Aqui vai um conselho ao articulista.
Faz arminha que melhora.
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
 
Critico em 03/07/2019 08:57:48
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions