A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

28/06/2011 11:11

Ateucracia e heterofobia, por Robinson Cavalcanti

Por Robinson Cavalcanti (*)

A humanidade conviveu e tem convivido com regimes não-democráticos: monarquias absolutas, teocracias, ditaduras, aristocracias, oligarquias, que privilegiam famílias, etnias, religiões, partidos ou classes.

Com a substituição do poder personalizado pelo poder institucionalizado, surgiram os Estados Nacionais, as constituições e a democracia, como “o povo politicamente organizado”. Na maioria das vezes, o formalismo democrático e a liturgia das eleições apenas legitimam grupos, que controlam os aparelhos do Estado.

Ao povo cabe apenas escolher periodicamente, entre os escolhidos, os seus senhores. Presencia-se no Ocidente, sob a fachada da democracia, uma nova autocracia: a dos ateus e agnósticos e materialistas secularistas -- netos do Iluminismo -- contra a maioria religiosa dos cidadãos. Essa ideologia aparece mais nítida com o término da Guerra Fria, e pretende confundir Estado laico com Estado secularista.

Por Estado laico se entende aquele legalmente separado das igrejas, sem religião oficial, com a igualdade perante a lei, que se constitui um avanço para a civilização, e que foi uma das bandeiras do protestantismo histórico no Brasil.

O Estado secularista expressa uma ideologia militante de rejeição da religião, de sua negação como fato social, cultural e histórico, ou a considerando intrinsecamente negativa. No passado, tivemos a influência da filosofia positivista que, com sua “lei dos três estados”, advogava a marcha inexorável da história de uma etapa religiosa inferior para uma etapa superior, pretensamente científica ou positiva.

Essa filosofia marcou grande parte das ideologias contemporâneas, inclusive o marxismo, cujos regimes, oficialmente ateus, procuravam “colaborar” com esse processo histórico perseguindo implacavelmente a religião e tornando compulsório o ensino do ateísmo. O que essa elite iluminada tem dificuldade de aceitar é o fato de que, no século 21, a religião em vez de diminuir está aumentando, no que Giles Kepel denomina “a revanche de Deus”, e que dá o título do novo “best-seller” de John Micklethwait e Adrian Wooldridge, “Deus Está de Volta”.

Há todo um malabarismo intelectual para “explicar” essa anomalia, e, por outro lado, se procura promover um combate sistemático para contê-la. O antirreligiosismo teve como epicentro a Europa Ocidental, estendeu-se para a América do Norte, e se espalha pela periferia do sistema mundial, chegando até nós.

Há uma prioridade de se atacar as religiões monoteístas de revelação, porque julgam que o monoteísmo promove a intolerância e a revelação traz conceitos e preceitos autoritativos retrógrados (o pecado, por exemplo) que se chocam com as visões tidas como superiores da autonomia das criaturas. Mais particularmente, esse ataque se centra contra o cristianismo.

A intolerância para com a religião implica impossibilitar sua expressão nos espaços públicos ou que seus seguidores ajam publicamente por motivações religiosas. A religião, para seus adversários secularistas, deveria apenas ficar confinada às quatro paredes dos templos e dos lares, à subjetividade de cada um, condenada à irrelevância.

Essa elite se sente iluminada, superior, com o papel histórico de proteger as pessoas delas mesmas, de corrigir seus “atrasos” e de “educar” a humanidade, seja pelo apropriação dos aparelhos ideológicos do Estado (educação, mídia), seja pelo uso do aparelho coercitivo do Estado (leis, justiça, polícia).

Na esteira desse movimento temos tido a chatice do “politicamente correto” (moralismo de esquerda), a luta por retirar símbolos religiosos dos espaços públicos, acabar com os dias santificados, proibir a saudação “Feliz Natal” (deve-se apenas desejar “Boas Festas”), e a defesa de bandeiras como a liberação sexual, o aborto (no lugar do direito à vida, o direito da mulher a dispor do “seu” corpo), a eutanásia e a licitude das “orientações sexuais” -- a chamada agenda GLSTB (gays, lésbicas, simpatizantes, transgêneros e bissexuais).

Por sua mobilização política (e não por “descobertas científicas”) se promoveu a retirada dessa anomalia do rol das enfermidades e dos ilícitos -- e se instituir o casamento homossexual -- e se parte para proibir os que querem deixá-la, cassar o registro de psicoterapeutas, forçar a maioria a mudar seus padrões morais e criminalizar os que não aderirem.

Enquanto a Europa e a América do Norte já evidenciam um novo ciclo de perseguição religiosa, corre no Congresso Nacional um projeto de lei que faria o autor desse artigo ser condenado a até cinco anos de prisão por escrevê-lo.

Enquanto a minoria materialista tenta forçar uma ateucracia e a minoria homossexual tenta fomentar uma heterofobia -- ódio aos que insistem no seu direito de afirmar a normatividade da heterossexualidade, e de não aceitar a normalidade do homoerotismo -- eles recebem o apoio (cavalo de troia) de outra minoria: o liberalismo teológico. A nós, a maioria, cabe, democraticamente, o direito à resistência!

(*) Robinson Cavalcanti é bispo anglicano da Diocese do Recife (PE).

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...


Parabens!! Tirano como seu deus.
 
Hector Fonseca em 06/07/2011 12:48:11
Eric Dutra, democracia não é "o que a maioria do povo quer", democracia é governo do povo. Se democracia fosse o que vc afirma, a única religião permitida no país seria o catolicismo, em outros países seria o protestantismo.
Há uma diferença entre eleição da maioria para representantes e disposição de direitos a todos os grupos. Não tem como ter um presidente para cada grupo social do país, mas todos tem direito a seus direitos(redundante, eu sei, mas é o que é).

Robinson Cavalcanti, comentar o texto por partes. Começa relativamente bem, mas:
Texto: "O Estado secularista expressa uma ideologia militante de rejeição da religião, de sua negação como fato social, cultural e histórico, ou a considerando intrinsecamente negativa. No passado, tivemos a influência da filosofia positivista que, com sua “lei dos três estados”, advogava a marcha inexorável da história de uma etapa religiosa inferior para uma etapa superior, pretensamente científica ou positiva."

Não. O estado secularista abrange TODAS as religiões e a falta dela, pois não deve tomar partido em particularidades. O Estado laico basea-se em evidências cientificamente comprovadas, e não em achismos ou crendices populares. Pois, um fato, por mais que não se acredite, ainda é verdade. A existência de diversos deuses e diversas interpretações do mesmo deus(catolicismo ortodoxo/romano, protestantismo e suas diversas subdivisões, islamismo, judaísmo...), mostram que se pautar em religiões como fim máximo não é certo. Contudo, nada impede que, por exemplo, o Estado considere o homossexualismo uma abominação(Levíticos 18:22) ou anti-natural, se provarem isso cientificamente(o que até agora não fizeram, pesquisas mostram que ocorrem em diversas espécies na natureza). Essa é apenas uma questão onde o Estado se mantém neutro quanto a religião. Pode-se dizer que deu certo pra alguns Estados Europeus, não?

Texto: “politicamente correto”
Não é correto então? Eu posso então, dizer que um homossexual não é hábil pra trabalhar na minha empresa SÓ porque é homossexual? Ou um negro não pode ser diretor de algum setor SÓ porque é negro? Vale lembrar, eu não poderia mover nenhuma ação que te lese SÓ pelo fato e você ser religioso ou hétero. A lei vale pros dois lados.

Texto: "Por sua mobilização política (e não por “descobertas científicas”) se promoveu a retirada dessa anomalia do rol das enfermidades e dos ilícitos -- e se instituir o casamento homossexual -- e se parte para proibir os que querem deixá-la, cassar o registro de psicoterapeutas, forçar a maioria a mudar seus padrões morais e criminalizar os que não aderirem."

Estudos mostram, desde 1960, que Homossexualidade não é anomalia. Está desatualizado, uns 50 anos apenas. http://www.pnas.org/content/105/27/9403.abstract ; http://pt.wikipedia.org/wiki/Estudos_de_Kinsey ; http://ibict.metodista.br/tedeSimplificado/tde_arquivos/6/TDE-2006-11-29T194745Z-92/Publico/Dallmer%20Palmeiras%20Rodrigues%20de%20Assis.pdf, ou ainda uma simples questão lógica de senso comum: não fosse a homossexualidade algo natural, não haveriam gays, visto que todos foram criados em famílias e sociedades heterossexuais.
A igreja X ou Y tem todo direito de tentar "curar" gays, se houver consenso legal(entre maiores de idade ou responsáveis) quanto a isso; mas colocar suas garras para a sociedade como um todo, não.

Texto: "a defesa de bandeiras como a liberação sexual"

Acho que alguns padres precisam disso, visto os escândalos de pedofilia(http://is.gd/GFhpZ5, http://is.gd/XLqVTi, http://is.gd/tn9wLr, http://is.gd/F9cC1e, http://is.gd/au428Y, http://is.gd/q9jvoY, http://is.gd/Q6Rg1w todas tiradas da globo, a propósito) talvez, só talvez, a repressão sexual de uma forma de vida cuja característica evolutiva primária é a reprodução(seja das próprias células ou do corpo todo) não é algo muito bom a ser feito.

Texto:"(no lugar do direito à vida, o direito da mulher a dispor do “seu” corpo)"

As aspas no seu, novamente um dogma religioso, que não pode ser provado senão pela fé em um livro cheio de falhas e contradições de milênios atrás.

Texto: "Enquanto a minoria materialista tenta forçar uma ateucracia..."

Não é ateucracia, o estado nem os governantes com essas leis estão incitando a descrença de religião alguma. Uma mulher cristã ainda terá todo direito e não abortar. Um católico terá todo direito de ser hétero e se casar com uma mulher. Achar que não ou é falta de raciocínio lógico ou perversão do contexto.

Texto: "...minoria homossexual tenta fomentar uma heterofobia -- ódio aos que insistem no seu direito de afirmar a normatividade da heterossexualidade, e de não aceitar a normalidade do homoerotismo"

Então, eu como heterossexual tenho que IMPOR ao homossexual que seja como eu, e isso está certo? Que nem muitos faziam quanto a escrever com a mão esquerda ser algo proibido e "coisa do demônio", não muitos anos atrás? Há uma diferença entre não aceitar a normalidade da homoafetividade com bases cientificas(o que até agora não conseguiram) e recusar ela por dogmas e valores particulares.
 
Daniel Martins em 29/06/2011 10:21:17
Indiscutível porém agregável o artigo: o que não se nota ou divulga é o fato de que os homossimpatisantes e os próprios homossexuais ( e incluo nesta todas as outras denominações e tribos por eles criadas) que todos não passam de massa de manobra, votos e moedas para os cofres públicos e privados. Tentem fazer uma "parada gay pobre" sem apoio de políticos, da mídia e sem gastar milhões de reais em souvenirs, plumas e paetês e verão o tamanho do apoio recebido. É indiscutível o direito individual e por isso, diante da enxurrada ideológica que estão tentando impor a "ferro e batom" à maioria social, me obrigo a defender meu direito, também constitucional de ser heterossexual e nortear minha família por este caminho.
 
Adriano Remonatto em 29/06/2011 08:32:12
Sou ateia por nascimento, como afirmava Nietzche, defendo o Estado laico e secular, porém, não apoio o politicamente correto, como a banalização do sexo, a promoção de anomalias, como o homossexualismo, como algo natural, a adoção de crianças por casais gays, etc. Entretanto, sou favorável ao aborto assistido, pelo fato de que criminá-lo não diminui a prática, veja-se as estatísticas estarrecedoras sobre o tema, e aumenta o número de mulheres mortas ou com graves problemas de saúde em decorrência de tentativas mal sucedidas de interromper gestação. Quanto à eutanásia, entendo que, cada um é senhor de sua vida, e pode dispor dela quando achar que é o momento, sobretudo em casos de doenças terminais, desde que, é claro, isso não signifique fugir às responsabilidades. Se não há chances de melhora, por que prorrogar o sofrimento de pacientes e familiares? A eutanásia é, antes de tudo, um ato extremo de amor.
 
marly siqueira caramalack em 28/06/2011 07:33:06
Sou protestante e concordo com o Bispo, não vivemos mais em uma democracia pois o sentido de democracia é "o que a maioria do povo quer", isso o que vemos é uma demagogia, "o que a minoria quer", todos devem ter seus direitos respeitados mas o governo deve ser voltado a maioria pois se não fosse desta forma não seria nescessario mais de 50% dos votos para se leger Presidentes, Governadores e Prefeitos.
 
Eric Dutra em 28/06/2011 03:49:25
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions