A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

27/09/2012 11:00

Campo Grande não é cidadezinha qualquer

Por Antonio Carlos Teixeira (*)

Sou campo-grandense nato. Mas faz 13 anos e sete meses que moro fora. Em Brasília.

Ao menos uma vez ao ano visito, com a família, a terra natal. Nesse período, Campo Grande se transformou. A cada ida à Capital percebemos as mudanças.

Só quem está distante pra ter essa percepção. É como nossos filhos. Por estarmos pertos deles, não notamos que eles crescem. Viram mulheres; viram homens.

Deixam a mamadeira, abandonam a chupeta, ganham pelos, barba, os netos chegam... É preciso alguém de fora – avós, tios, primos, amigos – para perceber essa evolução.

Coisas do tipo: “Nossa, você virou um ‘homão’”! Ou, “Nossa, como você ficou bonito (a)”! Ou ainda, “Que moça bonita!”

É assim que minha mulher, os dois filhos e eu vemos Campo Grande.

Quem vive na cidade parece não perceber o quanto ela se desenvolveu. O quanto ela se tornou agradável, linda, aconchegante.

Na penúltima vez em que estivemos aí, fizemos verdadeiro tur.

Saímos da Mata do Jacinto, cruzamos o centro, chegamos ao Rita Vieira, passamos em frente ao Rádio Clube Campo, cortamos a Vila Pioneira e Bairro Universitário.

Também passamos pelo Estádio Pedro Pedrossian, o Morenão, onde joguei muito futebol (em quantidade, não em qualidade, ressalve-se) quando fazia Jornalismo na Universidade Federal.

Dali, chegamos ao Lago do Amor, ao Jardim Centenário até avistar a Coophavila I e II, o Aero Rancho... Tudo interligado por vias rápidas, cortadas por córregos canalizados, como Prosa e Segredo.

Fizemos esse trajeto em menos de hora, sempre parando, surpresos, contemplando as mudanças.

Na última vez, vimos o que foi feito nas Avenidas Duque de Caxias e Afonso Pena.

Nesse tur por Campo Grande, sempre margeando córregos, um fato chamou a atenção das crianças. “Pai, cadê as favelas?”, perguntaram. A resposta estava ali, diante delas.

A disputa eleitoral, infelizmente, quer transformar Campo Grande numa cidadezinha qualquer.

Discurso nenhum, no entanto, mudará nossa visão (mulher, filhos e eu) sobre o estágio a que Campo Grande alcançou.

O próximo prefeito precisa saber que administrará uma grande cidade, uma capital. E que, para isso, terá de ser competente o bastante para continuar nos impressionando, oferecendo o melhor a cada campo-grandense.

Quer queira quer não, Campo Grande é outra cidade. Com seus defeitos.

Mas com virtudes que os discursos fáceis não podem esconder.

Quem quiser ganhar a eleição que utilize outros argumentos.

(*) Antonio Carlos Teixeira é jornalista, formado pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Foi repórter do extinto jornal Diário da Serra, do jornal Correio do Estado por sete anos e assessor de imprensa adjunto da Secretaria da Receita Federal em Brasília.

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions