ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  02    CAMPO GRANDE 15º

Artigos

Caos organizado

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*) | 25/02/2021 07:07

Os seres humanos, em sua indolência, se deixaram alienar da vida real. Seduzidos pelas atraentes ilusões do materialismo, foram caindo no enrijecimento, bloqueando sua essência espiritual. Com o avanço da corrupção e da cobiça pelo poder, as nações foram perdendo as condições de se autossustentarem e poderão ser riscadas do mapa e suas riquezas naturais absorvidas na geoeconomia.

É lei da Criação que o ser humano tenha a livre vontade; uma imposição contra isso é antinatural. Poderão ser criados robôs com inteligência artificial, mas jamais serão as criaturas humanas às quais foi dada a oportunidade de evoluir e beneficiar o planeta, encarnadas num perecível corpo de carne e sangue, pois o ser humano real é o espírito que foi posto para dormir, e se não despertar para a vida real, cavará o seu abismo final.

Tudo que uma pessoa trouxe em sua alma, integrado com tudo que ela viu e vivenciou na infância, na família, na escola, pela televisão e no convívio em geral, modelou o seu caráter e a sua forma de agir. Aí também entra a lei da atração da igual espécie, seja do bem ou não. A pessoa generosa e compreensiva, que viu essas atitudes na sua infância, tende a agir de forma nobre, a menos que deixe o egoísmo prevalecer atraindo formas de pensamentos mais escuras. Deverá estar atenta à sua voz interior, à intuição, que dará avisos para que saia desse labirinto trevoso.

Porém, se ao contrário, trouxer na alma marcas da desconfiança e cobiça, e viu muito disso na infância, a tendência será a de se abrir ao egoísmo, atraindo a igual espécie maléfica. O egoísmo atinge o cérebro dominando-o, mas pode ser um espírito decaído que perdeu a ligação com o mundo espiritual e se deixa atrair pelo mal.

As baixarias atacam a todos. A inveja, a cobiça, a vaidade, a desconfiança, a luxuria, querem encobrir a bondade e a nobreza da alma para que o ego possa se satisfazer. Para não afundar, cada ser humano tem de lutar para conservar puro o foco dos pensamentos e repelir e se libertar das influências das formas de pensamentos escurecidas pelo mal.

O Brasil tem sido conduzido para caminhos sem Luz. O materialismo mantém as pessoas afastadas da real finalidade da vida. Os jovens desaprenderam a pesquisar e investigar objetivamente os fatos com lógica, clareza e o bom senso intuitivo; precisam de incentivos para que pesquisem seriamente o significado da vida e as leis da Criação. Por que e para que nascemos na Terra? Para aprimorar-nos e beneficiar o solo onde nascemos.

A classe média está encolhendo. O medo que possa faltar comida e outros recursos naturais está mexendo com os preços. Os artificialismos do sistema econômico imediatista estão caindo, mas as nações perderam as condições de se autossustentarem. Se não as recuperarem, correm o risco de sumir do mapa.

A questão essencial é que o mundo está mergulhado em crise profunda. Como os indivíduos e as nações poderão encontrar um caminho salutar? No passado, vários países e indivíduos conseguiram reunir forças para uma reviravolta, como escreveu Jared Diamond, professor da Universidade da Califórnia, autor de vários livros. A crise de agora é mais grave por encontrar os países despreparados, e tudo pode ficar travado pela grande interdependência criada e aumento da corrupção que visa riqueza e poder.

A vida se torna uma arena policiada. As ideias divergentes são atacadas para que sejam esquecidas e jamais debatidas, mas por trás desse cenário de caos organizado está o atuar da lei do semear e colher. Uma nova força está impulsionando os fios do destino dos seres humanos. O pós-guerra insinuou melhoras gerais nas condições de vida. Porém muitas pessoas nascidas após a guerra se deixaram prender pelas tentadoras ilusões materialistas, caindo na indolência.

As pessoas perderam a sensibilidade para perceber que são as causadoras de seu próprio destino. O mundo se acha diante da grande colheita, e vão desfilar pelos povos os frutos da mesma espécie que semearam. Fazemos parte do povo dos seres humanos; cada povo tem de se adaptar às condições do solo onde nasceu, mas todos estão sujeitos às leis da Criação que regem a vida e os astros.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP.

...

[Message clipped]  View entire message


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário