A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

20/05/2018 09:00

Código Comercial X Burocracia

Por João Carlos Polidoro (*)

O novo Código Comercial - discutido recentemente na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul - está há sete anos em tramitação, aliás, são duas propostas: uma em discussão no Senado e outra na Câmara. A primeira com 1.103 artigos e a segunda com 670. Esses números assustam qualquer empreendedor que atua ou pretende abrir um negócio no Brasil.

O que estamos vendo é uma discussão em que juristas estão defendendo posições em nome da segurança jurídica, mas o que percebemos é um excesso de burocracia que pode acelerar ainda mais informalidade no país.

Precisamos de segurança jurídica, entretanto, a simplificação é uma necessidade maior, usando toda e qualquer tecnologia que nos proporcione agilidade e competitividade. Legislações complexas nos levam à redução de investimentos e a uma menor geração de riquezas, pois os riscos do negócio aumentam absurdamente.

Anualmente, o Banco Mundial publica o relatório Doing Business, em que são analisados indicadores quantitativos sobre as regulações das atividades comerciais e sobre a proteção dos direitos de propriedade que podem ser comparados através de 190 economias. O Brasil está ranqueado na posição 125, o México na 49 e a média da América Latina e Caribe é 110.

Se não houver sensibilidade por parte dos legisladores, para colocar o empreendedor como foco do novo código, podemos piorar mais ainda o ambiente de negócios no país.

Contudo, temos de louvar a atitude do relator no senado federal, senador Pedro Chaves, que está realizando diversas audiências públicas no Brasil, para ouvir todos os setores empresariais e a sociedade de modo geral, colhendo subsídios para que especialistas possam incluir contribuições na melhoria do texto final do novo código.

Empresário quer produzir, gerar empregos e riquezas, quer focar no negócio e não no cumprimento de obrigações inúteis que apenas emperram o desenvolvimento e aumentam os custos do negócio. Isso precisa ser levado em conta para que o novo código, realmente, nos traga uma legislação atual e moderna, permitindo um ambiente de negócios sustentável.

(*) João Carlos Polidoro, Presidente da Associação Comercial e Industrial de Campo Grande.

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions