A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

20/11/2015 16:24

Como criar filhos vitoriosos

Por Wilson Aquino (*)

Não é uma tarefa fácil, criar filhos. Ainda mais, vitoriosos. Nesses últimos tempos então, de guerras físicas e espirituais intensas, onde o mal avança, invadindo lares, desviando e destruindo pessoas, fragmentando famílias; onde o capitalismo selvagem exige as presenças do pai e da mãe, full time no mercado de trabalho, obrigando-os a deixarem desguarnecido o sagrado lar, não é fácil.

É pura a verdade de que absolutamente ninguém sabe sobre o dia de amanhã. Só Deus. Portanto, não há como afirmar, ou garantir, que qualquer “método” aplicado na educação e formação do filho vá garantir sucesso. Êxito de colocar cidadãos exemplares na sociedade, capazes de cumprirem bem e com honradez seus papeis onde estiverem presentes.

Então, como criar filhos vitoriosos?

Além do sacrifício dos pais de prover uma educação escolar de qualidade, incentivando o filho a ter gosto pela leitura, pelos estudos, participando com eles de suas tarefas diárias e outras medidas nessa linha, usando de muita paciência e sabedoria, a parte mais importante está muito além disso. Ela começa durante o período de gestação, quando os pais começam a falar com o filho, dizendo palavras amáveis e profetizando coisas boas para a vida daquele ser em formação.

Esse procedimento, um ato de amor constante dos pais, deve continuar, sempre, na vida do filho (criança, jovem, adolescente, adulto). No colo, deve ouvir que é um Filho Especial de Deus e que será um homem ou uma mulher de bem, que será forte, que será corajoso, que será justo, bondoso, trabalhador, honesto, talentoso...

Entretanto, lamentavelmente, não é isso o que acontece. Pois é muito comum pais amaldiçoarem os próprios filhos com frases que os acompanham desde pequenos, profetizando negativamente coisas que podem ser perpetuadas, enraizadas no ser. Palavras como: “Esse meu filho não tem jeito!”, “Meu filho é um preguiçoso!”, “Meu filho não presta!”, “Minha filha você parece uma prostituta”, e tantas outras semelhantes.

Quando, por exemplo, não vai bem com as notas escolares ou diante de obstáculos no aprendizado, em vez de incentivá-los, com amor, carinho e paciência, dizem logo o que é mais comum: “Mas você é muito burro hein filho” ou ainda: “Você não aprende mesmo né filho? ”

Dito essas coisas, como não sentenciá-los ao fracasso na vida?

Poucos conseguem se sobressair a essa pesada carga amaldiçoada, imposta dentro do próprio lar, pelos próprios pais!
Poucos “doutrinados” ao fracasso, saem vitoriosos. Quando conseguem, é às custas de um sacrifício muito grande, de dor e sofrimento, quando pouco ou quase nada seria necessário para que tudo fluísse da melhor maneira possível, se fossem abençoados e orientados desde pequeninos a enfrentarem obstáculos, ensinados a superá-los.

Conheci a história de um homem rancoroso que fez fortuna trabalhando duro. Constituiu família e gerava muitos empregos. Entretanto, era um homem amargo, grosseiro, que tinha grande dificuldade de demonstrar amor pelos próprios filhos e esposa. Até que um dia, numa igreja, descobriu a grande e maléfica influência em seu caráter, o deboche de seu pai que o chamava de “mosca morta”, porque tinha dificuldade de processar informações que recebia para poder reagir, mesmo a simples perguntas que lhe eram feitas. Depois que perdoou seu pai, que não mais vivia, passou a ser uma pessoa melhor para a família e a seus empregados.

Pais que amam seus filhos não têm ideia de como essas pequenas e “insignificantes” frases podem fazer a diferença na vida de um indivíduo em formação. Podem bloqueá-lo de seu crescimento e aperfeiçoamento intelectual, profissional, espiritual... Eles não têm ideia de que podem estar condenando o próprio filho ao fracasso ao proferirem essas palavras de maldição no dia a dia da vida dos filhos.

Os consultórios de terapia psicológica estão abarrotados de adultos “travados” por essas maldições concebidas principalmente no lar. Tornam-se assim, sem consciência das causas. Se esforçam para vencer seus “dragões internos”, plantados por uma má educação de pais que proferiram coisas sem medir o peso das próprias palavras.
Deus, na sua infinita sabedoria, sempre nos ensinou e nos advertiu o cuidado que devemos ter com o que falamos, pois quando isso acontece, as palavras não têm volta. Não há como desfazer o que falamos ao vento. Não é à toa que Ele nos deu dois ouvidos, dois olhos, dois canais para respirarmos e apenas uma boca.

São inúmeras passagens da Bíblia Sagrada em que Ele nos adverte sobre o perigo da língua, como em Tiago (3:10) onde diz: “De uma mesma boca procede bênção e maldição”. Assim sendo, o pai que controlar a boca e proferir bênçãos aos filhos, sem amaldiçoá-los e se sacrificar para dar-lhes uma boa formação escolar e profissional, terá chance maior de criar filhos vitoriosos.

(*) Wilson Aquino, jornalista, professor e membro SUD

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions