A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

07/09/2015 16:04

Competitividade por meio da integração logística

Por Rodrigo Recchia (*)

A integração logística parte do princípio da padronização de processos e tecnologias entre operadores logísticos e seus fornecedores. Esta prática tem se mostrado de fundamental importância para a agilidade e consistência nos processos logísticos.

O processo de integração logística ocorre através de padronizações globais, como é o caso da identificação de produtos por código de barras por meio do GTIN (Global Trade Item Number) do Sistema EAN.UCC, padrão este que fideliza as informações em toda a sua cadeia logística. Outro exemplo de eficiência da integração é a troca de arquivos eletrônicos, com a utilização de EDI (Electronic Data Interchange) ou XML (Xtensible Markup Language), os quais facilitam e proporcionam a confiabilidade na troca de informações entre as empresas, diminuindo, em grande parte, erros de digitação e tornando a cadeia logística cada vez mais automatizada.

No Brasil, o advento da NF-e (Nota Fiscal Eletrônica) possibilitou a melhoria no controle fiscal, o incentivo ao Comércio Eletrônico e principalmente o aumento do relacionamento eletrônico entre os fornecedores através do B2B (Business-to-business), o qual prima pelo estabelecimento de um comércio integrado entre duas empresas, de modo a garantir uma integração de sucesso.

Imagine um Operador Logístico recebendo mercadorias com um código de barras sem um padrão definido. Provavelmente o seu coletor de dados e o software logístico não estariam preparados para absorver este tipo de informação. Com isso, seriam geradas customizações, que seriam desnecessárias, caso houvesse a padronização destas informações.

O tráfego de informações eletrônicas também é inviável se não houver padronização acordada entre empresa e fornecedor. As integrações EDI ou XML devem ser realizadas entre as empresas para que os processos logísticos possam fluir de forma dinâmica e com confiabilidade. A dinamicidade atual não permite que um pedido realizado por um cliente via Comércio Eletrônico seja inserido em um sistema logístico de forma manual, isso acarretaria atrasos nas entregas, quando não, erros de digitação.

Por fim, o investimento em padronização trará a redução de custos operacionais, evitará retrabalho, possibilitará a rastreabilidade das mercadorias de forma eficaz e proporcionará a produtividade esperada no armazém. Operadores logísticos que não investirem em integrações terão um desempenho inferior à concorrência, principalmente nos quesitos que dizem respeito à acuracidade e à qualidade do serviço prestado. As integrações não são apenas um diferencial, mas sim o principal ponto de partida para garantir a competitividade das empresas.

(*) Rodrigo Recchia é gestor de desenvolvimento do produto WMS Store Automação, companhia de Tecnologia da Informação especializada no setor logístico

Sonho, urgência e economia verde
Vivemos uma utopia. A ideia de que as utopias acabaram é falsa. Quem está imerso nessa fantasia não percebe, mas vivemos a utopia da técnica e do con...
Acordo com a União Europeia: bem-estar animal em evidência
O Acordo comercial do Mercosul com a União Europeia tem causado bastante interesse de alguns e preocupação de outros. Uma certeza: para atingirmos es...
Os indevidos bloqueios de pontos dos programas de fidelidade
A justiça brasileira tem recebido diversas demandas que visam obstar a limitação de negociações de pontos, especialmente direcionadas às companhias a...
Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions