A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 19 de Novembro de 2018

09/09/2011 09:59

Corte dos juros e turbulência à vista

Por Fernando Rizzolo (*)

Se existe algo desagradável para passageiros de avião, além da espera nos aeroportos, esse algo é a turbulência. Para os pilotos, dependo do tamanho da tempestade, o melhor é sempre desviar a rota.

Muitos criticaram a visão apocalíptica da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) de reduzir a taxa básica de juros (Selic) de 12,50% para 12% ao ano, antecipando-se assim a uma eventual tempestade econômica internacional. Alguns até argumentaram que a decisão foi política e não técnica.

A grande verdade é que com os juros nas alturas, diante do cenário, o melhor ainda é ter um raciocínio aéreo, ou seja, desviar a rota para amenizar as turbulências. É bem verdade que se nada acontecer, e se o nosso parceiro maior, a China, continuar consumindo, pagaremos um preço pela rota mais longa: um eventual cenário de inflação.

Mas aqui, estando em terra firme, sentado neste sofá aqui na minha sala, e não num avião observando o balanço do refrigerante do meu copo, entendo que a decisão não foi errada.

Senão, vejamos: a economia americana ainda não dá sinais de recuperação, a Europa se encontra em desequilíbrio econômico, o Japão dependente dos EUA, ainda conta os números do prejuízo pelo desastre provocado pela natureza, ou seja, estes polos de estrutura econômica enfraquecendo, pela lógica dos efeitos terrestres e, por que não, aéreos, afetará sim a dinâmica interna da economia chinesa e de todos os emergentes, o que, por sua vez, encolherá o apetite chinês pelas nossas commodities, restando-nos apenas fortalecer o nosso mercado grande interno.

Mas até aí alguns poderiam dizer que até agora, lá fora, nenhum banco quebrou, e que houve então precipitação por parte do Banco Central.

Sinceramente, ainda estando em solo firme, prefiro por cautela a postura tomada pelo Copom. Tenho medo de turbulências e se nenhum avião sofreu os efeitos de uma forte turbulência nos últimos anos, é pelo fato de terem mudado de rota.

E lembrem-se daqueles que insistiram em enfrentar as tempestades sem os devidos ajustes aéreos e se perderam no mar. Tenho medo de turbulências, mesmo sentado neste antigo sofá, economia e avião se enfrentam apertando os cintos e mudando a rota, além de rezar, é claro, o que também ajuda...

(*) Fernando Rizzolo é advogado, jornalista, professor universitário e membro efetivo da Comissão de Direitos Humanos da OAB/SP.

Comércio exterior: que política?
O governo que assume a partir de 1º de janeiro de 2019 ainda não anunciou as diretrizes que deverão nortear a sua futura política de comércio exterio...
Esperança, confiança e desenvolvimento
Em seu ótimo livro Sapiens, o historiador Yuval Noah Harari discute porque alguns impérios antigos cresceram e se desenvolveram, e outros ficaram est...
Faça a revisão do seu veículo antes de viajar
Nós, brasileiros, precisamos romper um ciclo vicioso que responde por muitos transtornos a quem sai para passear pelas estradas: a falta de manutençã...
À procura de equilíbrio
Agora, mais do que nunca, torna-se imprescindível a vivência do Amor Solidário Divino, porque ele é o único capaz de afastar da Terra as trevas do cr...


Os Juros do Brasil é um dos mais alto do mundo.
Vivemos em constante turbulência e incertezas, sabemos que a corrupção não deixa o povo Brasileiro voar com segurança.
O dinheiro dos impostos não são usados onde deveriam ser usados.
Isso sim é um desastre total.
 
Ednea braga em 09/09/2011 01:30:10
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions