A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

06/05/2013 10:11

Cuidar dos netos...

Antônio Cézar Lacerda Alves (*)

A sonoridade da frase já é conhecida. Ela foi dita pela primeira vez durante a fase preliminar do processo eleitoral de 2010. O governador André Puccinelli, depois de findas as tentativas de composição com o PT (quadro que ficou conhecido como: “Esperando a Noiva”), teve que se apresentar para o duelo. E, se antes, para o caso de composição com o PT, precisava negociar vaga do senado (e havia vários candidatos “naturais” do PMDB no páreo: Moka, Valter Pereira e Murilo), mesmo sem a composição o problema continuou, pois surgiu um novo nome de “interesse pessoal” do governador no elenco de candidatos da chapa: Simone Tebet, Prefeita de Três Lagoas, ao cargo de vice-governadora...!

Foi aqui, nesse exato momento, que a frase “cuidar dos netos” foi dita pela primeira vez. E, por quê? Muito simples: ao lançar a filha de um saudoso amigo e leal companheiro ao cargo de vice-governadora ficariam evidentes duas verdades, que precisavam ser ocultadas a qualquer custo: 1) André almeja ser candidato ao Senado, pois trocou seu antigo vice para deixar no governo, quando renunciar, uma pessoa de sua confiança; 2) Com a renúncia de André para ser candidato ao senado, Simone, como vice, assumirá o governo e o único cargo ao qual poderá concorrer sem ter que renunciar é o de governadora (reeleição); cuja situação confrontaria com o interesse de Nelsinho Trad, candidato natural do PMDB à sucessão de André!

Então, na tentativa de combater as especulações que seriam suscitadas pelo convite da vice, foi usado pelo governador, como VACINA, o anúncio antecipado de que não renunciaria ao cargo de governador, que terminaria o mandato, que não sairia candidato ao Senado... Enfim, que abandonaria a política para CUIDAR DOS NETOS!

Em minha opinião, entretanto, todas as especulações já estão descartadas e o imbróglio está totalmente superado, pois Simone já se manifestou em várias oportunidades que não deseja ser candidata ao governo e, por outro lado, a candidatura de André ao senado se faz necessária ao PMDB e se trata de um caminho natural. Aliás: Wilson, em 1986, quando renunciou ao governo, em favor de seu vice Ramez Tebet, e saiu candidato ao Senado, fez a coisa certa e depois retornou ao governo; Pedrossian, em 1994, ao não renunciar ao governo para sair candidato ao senado, fez a coisa errada, e a consequência apareceu na eleição seguinte; Zeca, em 2006, ao preferir terminar o mandato, ao não renunciar ao governo em favor de seu vice Egon Krakhecke, ao não sair candidato na chapa de Delcídio fez a coisa errada, e todo mundo sabe das consequências.

Então, por todas essas razões, estou convencido de que o governador André Puccinelli, uma das mais expressivas lideranças políticas de Mato Grosso do Sul, saberá entender que a sua vida pública ainda está muito viva, que o momento não é de deserção, e, que ele é muito importante para o seu partido... E, por outro lado, não tenho dúvida de que os seus netos e o tapete da sala de estar, com certeza, saberão esperar, esperar, esperar...!

(*) Antônio Cézar Lacerda Alves, advogado

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions