A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

05/06/2014 13:29

Debate indígena: o ideológico massacre midiático

Por Pedro Pedrossian Filho (*)

“Ideologia é um vestido que encobre desejos ou interesses”  (Karl Marx!)

“Era tudo deles, nós é que somos os invasores”, “Muitos índios foram mortos”, “Temos uma dívida histórica”, “eles são os verdadeiros donos dessas terras, eles são os autênticos brasileiros, os invasores só trouxeram maldade e doença a esses povos que viviam em harmonia no paraíso.” !

As frases prontas são repetidas como mantras, marteladas diariamente por antropólogos, intelectuais, índios, políticos e claro, muitos papagaios, que repetem o coro, sem nunca terem se debruçado sobre o assunto.

A repetição vem com ares de sapiência, de verdade científica, de autoridade moral, e talvez por isso convença os “robôs da Academia” ao ponto de repetir o discurso retórico nos mesmos moldes. Não é permitido contestar nem em pensamento. É um dogma que não aceita questionamento, sob o perigo de ser excluído e hostilizado pela comunidade dos "cidadãos superiores.”

Aqueles que ousam questionar a “VERDADE” estabelecida por eles, são logo punidos por tamanho atrevimento e estigmatizados de nazistas, genocidas, seres humanos cruéis, assassinos de índios, racistas, digno de todo ódio e asco social.

A mídia por sua vez, na maioria das vezes embalada pelos discursos propositadamente passionais, não rara vezes com jornalistas também já doutrinados nas universidades, presta seu serviço a esse “maniqueísmo” forjado que cerca o debate. É uma verdadeira lavagem cerebral, um massacre midiático. É uma campanha escrachada de persuasão em massa.

Mas o que ninguém questiona é a quem interessa a manipulação da opinião pública? Quem deseja estabelecer uma verdade absoluta, inquestionável, ao ponto de tornar o debate quase um tabu?

Edward Luz, ex-antropólogo da Funai, doutorando em antropologia pela UNB, vem constantemente denunciando os processos fraudulentos e os interesses que permeiam e patrocinam a dita Política Indigenista brasileira. Segundo ele, os interesses internacionais em inviabilizar o desenvolvimento econômico do nosso país é um dos motores dessa história.

Para se ter uma ideia, um dos maiores patrocinadores é o departamento da agricultura dos Estados Unidos. Ora, não soa um tanto estranho que os entoadores dessa causa que o grande “porco capitalista”, que dizimaram seus índios, tenham como comprometimento proteger os pobres 400 mil índios no Brasil? E logo o "United States Department of Agriculture”? Realmente deve ser um investimento desinteressado, porque o Brasil “pequenino e com terras pobres" não despertaria a cobiça nos desatentos americanos... Isso é bobagem! mania de perseguição...

E assim segue a linha dos patrocinadores da farsa ideológica. São inúmeras ongs internacionais, que sob o véu dos princípios mais nobres como o ambientalismo e a solidariedade em favor dos menos favorecidos, investem pesado em campanhas publicitárias que visam atender seus obscuros e reais interesses.

Hoje, o Brasil conta com pouco mais de 400 mil índios aldeados, com áreas já demarcadas em 110 milhões de hectares, o equivalente a 26 Holandas. A pretensão é demarcar quase 30% do território brasileiro. Alguém, com um pouco que seja de massa encefálica, pode argumentar que os índios estão precisando de terras? Mas caso ocorra, alguém poderia responder a razão de 11 milhões de hectares serem considerados insuficientes para uma população de 28 mil índios no Mato Grosso? E que 710 mil hectares não são suficiente para o contingente de 380 indígenas ao ponto deles realizarem pedágios ilegais nas estradas?

Seguindo o mesmo raciocínio não é estranho que a presidente da república, Dilma Rousself, por indicação da Funai, amplie e demarque por decreto, como fez ano passado no Mato Grosso, em mais de 700%, aumentando uma área de 129 mil hectares, para um milhão de hectares?

No entanto, sobre a questão indígena é proibido pensar, discutir então... é quase uma blasfêmia para os “religiosos”. Contudo, essa ardilosa trama não foi engendrada pelos índios aldeados, em sua maioria massa de manobra, mas por técnicos a serviço de ONGs e governos estrangeiros.

Os discursos já vêm pronto e já estão e minuciosamente calculado para manipular as mentes mais vulneráveis, a fim de impedir qualquer juízo crítico, quase que irreversível.

Diante disso, assistimos o acirramento do conflito. De um lado, os produtores rurais com seus respectivos títulos endossados pelo Estado e do outro, índios alegando seu direito ancestral à terra e o pagamento de uma “divida histórica” em razão da colonização do país. Aqueles que repetem incessantemente essas frases de efeito, parecem não questionar, o porquê da “tal dívida” ser atribuída somente ao produtor rural. Se a dívida é social, histórica, jamais poderia ser resgatada mediante pagamento de somente um indivíduo ou parte de um grupo. Estaríamos tratando de devedores e credores, herdeiros “simbólicos”? Há alguma lógica nesse raciocínio? Os antropólogos, juízes, promotores, intelectuais e seus "proletários do saber”, não teriam a mesma conta a pagar? Não seriam também herdeiros da tal dívida? O leitor, daí de sua cadeira, na zona urbana, estaria fora desse “acerto de contas”? E eu como muitos, que não possui nenhuma gota de sangue dos colonizadores portugueses, tendo ascendência armênia e italiana, apontados na história - embora os mesmos contestem- como escravos brancos no trabalho em fazendas no Brasil, teria da mesma forma alguma dívida a pagar?!

Não parece ser este um discurso frágil, quase infantil, para persuadir e legitimar o confisco de propriedades privadas? Não seria mais aconselhável, ao invés de acusar produtores rurais, olhar para a própria história e questionar os argumentos? Não estaríamos cometendo mais injustiças escamoteadas sob o véu de justiça? Por que não investigar a Funai e seus laudos fraudulentos? Por que não se questionar sobre distribuição desses 110 milhões de terras indígenas?

Por que não cobrar ações e políticas públicas verdadeiramente comprometidas com as comunidades indígenas, com os anseios por educação e saúde de qualidade? Será que o produtor terá de elaborar um projeto piloto em comunidades indígenas, exercendo papel de Estado, para ensinar a Funai como é que se dá dignidade aos povos indígenas?
Pedro Pedrossian Filho- Graduado em Filosofia, pós graduando em Filosofia,

(*) Pedro Pedrossian Filho, graduado em Filosofia, pós-graduando em Filosofia, Antropologia e Sociedade e ex-deputado federal

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions