A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

25/12/2014 15:12

Defender a democracia, a grande tarefa de 2015

Paulo Cayres

O ano de 2014 está acabando e deixa para a classe trabalhadora e a sociedade um grande desafio: colocar na agenda de todos os dias de 2015 a defesa intransigente da democracia em nosso país, em todas as suas variáveis.

Isto será preciso porque, estranhamente, neste ano em que o golpe militar completou cinco décadas, a democracia foi ferozmente arranhada e ameaçada pelas forças retrógradas, em especial a partir do segundo semestre, quando a disputa eleitoral se acirrou.

Quem lutou para que a democracia fosse restabelecida e quem batalhou para que ela se ampliasse por meio da inclusão e da justiça social em nosso país, tem assistido e vivenciado os ataques da elite conservadora nos últimos 12 anos – que foram intensificados em 2014 –, e acabou percebendo que há outras formas para tentar minar o regime democrático, que vão além da força bruta de uma ditadura militar.

Os golpes diários desferidos pela mídia tradicional contra o governo Dilma Rousseff, os movimentos sociais e sindical e o jogo baixo e irresponsável da oposição conservadora durante o processo eleitoral (e depois dele) são exemplos claros. A elite quer dividir a população, incitar o ódio de classe e o preconceito racial e de gênero, que afrontam a democracia e a opção de projeto governo escolhida nas urnas.

O que esse setor retrógrado deseja, na realidade, é que o país dê uma guinada ao velho e ultrapassado modelo neoliberal, tirando do Estado o papel indutor do desenvolvimento social e, assim, de principal garantidor da democracia real, que assegura e amplia direitos, que investe na política de distribuição de renda e que dá oportunidades àqueles que hoje são as principais vítimas desta expressão descabida de preconceito.

Assim, 2015 espera de todos e todas que têm na democracia um dos seus valores mais preciosos que lutem por ela, que defendam tudo o que este regime representa para suas vidas e para o Brasil. Será um ano em que o embate entre projetos estará ainda mais acirrado e que exigirá de cada um de nós um empenho muito maior para desconstruir as mentiras e manipulações da elite e da mídia que a serve.

Para nós, metalúrgicos e metalúrgicas da CUT, 2015 reserva também uma responsabilidade muito grande. Temos de nos mobilizar ainda mais para, em primeiro lugar, garantir empregos e direitos já conquistados. Ao lado das categorias química, têxteis, da construção e da alimentação, temos também de continuar cumprindo nossa jornada nos fóruns de debate da política industrial, defendendo o papel da indústria como principal instrumento de desenvolvimento do país.

Junto com trabalhadores e trabalhadoras dos demais ramos, precisamos fortalecer as lutas da CUT, particularmente em defesa da pauta histórica de reivindicações entregue ao governo e ao Congresso Nacional, da qual consta, entre outros itens, o fim do fator previdenciário e a jornada de trabalho de 40 horas semanais. Com as entidades da sociedade civil, vamos ainda intensificar as campanhas pela reforma política e por um novo marco regulatório para as comunicações.

Enfim, como já ocorreu em outros períodos fundamentais, com nossa consciência e nossa luta vamos ajudar a consolidar a democracia e tudo o que ela representa para a conquista da igualdade de direitos e de oportunidades e para o real exercício da cidadania por homens, mulheres, crianças, jovens e idosos, independente de etnia, credo, gênero, local de nascimento e classe social. É isso que o Brasil espera e precisa de nós em 2015!

*Paulo Cayres é trabalhador na Ford e presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...


Lamenta-se que considerações de tendência partidária petista venham fazer observações criticas àqueles que não concordam com a "democracia petista", ou seja, com o desrespeito ao Estado Democrático de Direito, às regras vigentes. Por exemplo: o PT até hoje discorda da decisão do STF que condenou políticos corruptos; o PT critica as decisões do TCU; o PT mudou a Lei das licitações públicas; o PT para poder descumprir a meta fiscal de 2014 alterou a Lei de Diretrizes Orçamentárias-LDO. Em síntese: O governo petista não sabe se conduzir dentro dar normas democráticas de direito.
Os petistas continuam com ideias retrógradas de “elite conservadora, mídia tradicional contra Dilma, modelo neoliberal e outras recorrentes bobagens”.
Mensalão e petrolão afrontam o respeito à sadia democracia.
 
JULIO em 26/12/2014 00:59:59
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions