A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 23 de Junho de 2018

24/02/2017 10:20

Desglobalização seletiva

Por Walter Roque Gonçalves (*)

Para muitos analistas, a desglobalização significa a tendência das nações se fecharem para o comércio internacional. Neste movimento estão incluídos os efeitos colaterais indesejáveis do nacionalismo extremo que remete à xenofobia, ao racismo e a governos fascistas.

Observa-se que muitos dos empresários que hoje se posicionam contra a globalização, são os mesmos que a apoiaram na década de 1990. O interesse, à época, era de expandir mercado e reduzir os custos de produção com mão de obra. Mas, quando o crescimento do comércio internacional recuou, a postura mudou.

Segundo o colunista da Folha, Marcos Troyjo, tal sentimento elegeu Trump nos EUA e levou a Itália, Áustria, França, Alemanha, Rússia, Reino Unido e até a China a sinalizarem ações semelhantes.

Os números sustentam esta tese. Pode-se observar que o comércio internacional saltou de 25% do PIB mundial em 1960 para 60% em meados de 2010. Contudo, em 2016, o crescimento foi apenas de 1,7%. Diante deste quadro, as nações passaram a avaliar com mais rigor os benefícios da globalização e da desglobalização.

O governo Trump, por exemplo, afirma abertamente que avaliará as relações internacionais que lhes desfavorecem. Isto significa que, se o governo americano vende mais para um determinado país do que este país para os americanos, está tudo bem. Mas, se o movimento for inverso, haverá retaliações.

Posto isso, cabe ao Brasil adaptar-se e avaliar os fatores que favorecem a nossa nação. Entre estas questões estão: a saída dos EUA da parceria Transpacífico, da qual estávamos de fora; o protecionismo contra a China e México; a restrição à migração que aumentará os custos de produção dos EUA, entre outros. Estes fatos abrem oportunidades para o Brasil exportar mais para estes países, principalmente EUA e China, substituindo os antigos fornecedores.

Tendo em vista que a desglobalização é interessante apenas aos negócios que desfavorecem o país de origem, não é possível afirmar que estamos num movimento generalizado de desglobalização, uma vez que este movimento é seletivo.

Portanto, conclui-se que a desglobalização seletiva pode até ajudar no equilíbrio das relações no comércio exterior. Contudo, os extremos sempre são indesejáveis e, porque não dizer, perigosos. Se a tendência do momento é a desglobalização que, ao menos, sejam combatidos os efeitos extremos deste movimento como: a xenofobia, o racismo e a potencialização de governos fascistas.

(*) Walter Roque Gonçalves é consultor de empresas, professor executivo/colunista da FGV/ABS (FGV/América Business School) de Presidente Prudente

Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions