A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 25 de Fevereiro de 2017

08/08/2011 09:17

Dialética da desconstrução

Por Valfrido M. Chaves (*)

“Desorganizai tudo que existe de bom nos pais inimigo. Tentai envolver as mais altas esferas dirigentes, em empreendimentos criminosos, comprometendo-lhes as posições. Isso feito, conforme a oportunidade, daí publicidade às suas prevaricações.

Entrai, igualmente, em contato com os indivíduos mais baixos e perigosos. Molestai, por todos os meios e modos, a ação do governo; promovei discussões e discórdias entre os cidadãos. Lançai os velhos contra os jovens. Perturbai o abastecimento e o aprovisionamento das Forças Armadas” (Mao Tsé Tung).

Em tempos de bruxas e paranóias, da enlutada Noruega aos Ministérios brasileiros onde tardia degola engatinha, com rabos e ratos se fazendo de desentendidos , pois todo mundo era santo desde o Tratado de Tordesilhas, peço vênia ao leitor para indagar-lhe se conhece alguma República ou país hermano onde as lições de Mao parecem exemplarmente levadas à prática visando a dissolução de suas instituições.

Os fatos até nos remetem a Spinoza(1927) : “À medida que as gerações passam, vão-se tornando piores. Tempo virá em que se mostrarão tão perversas que passarão adorar o poder; o poder será para elas o direito, e a reverência ao bem deixará de existir.

Finalmente, quando nenhum homem se mostrar mais irado perante as más ações ou não se sentir mais envergonhado na presença do miserável, Zeus também as destruirá. E, não obstante, mesmo assim alguma coisa deveria ser feita, ainda que fosse a sublevação dos humildes para derrubar os governantes que os oprimem”.

Isso posto, leitor, indagaríamos não ser delírio ver entre nós uma lógica maoísta de fatos e ações no sentido da desconstrução das estruturas pessoais e coletivas que mantêm qualquer tribo, feudo ou nação integrados.

Pior: grande parte dos fatos desestruturantes emanam, direta ou indiretamente, do poder estatal vigente, quase sempre sob o manto adocicado de discursos politicamente corretos. Citaríamos aqui a inocente publicação do Ministério da Educação onde corrigir “nós vai” seria uma expressão de “preconceito linguístico”; também a fala de elevada membro do MPF, em nossa Assembléia, afirmando diante de 200 pessoas, inclusive indígenas, que “ retomada não e invasão”, quando realizada por índios.

Lição bem dada e melhor ouvida, pois, uma semana após, detona-se o terror em Japorã. Todos guardam quando o Presidente de país hermano antecipa-se ao seu STF afirmando que “Mensalão não existiu, foi um golpe das elites preconceituosas contra mim”.

Ou quando, no infeliz PNDH-3, que o presidente assinou mas não leu, e a presidenta atual rubricou mas não assinou, determinava que um proprietário invadido só poderia buscar sua reintegração de posse após discutir, com o invasor, os direitos humanos deste. Outra pérola, o presidente da Funai vir a Campo-Grande afirmar que a questão indígena não se resolve por causa da “judicialização”, ou seja, porque o proprietário turrão, impatrioticamente, entra na Justiça em busca de seus direitos.

E a cortesia com chapéu alheio de membro de MPF de país hermano, afirmar que, na questão indígena, o fazendeiro teria que ter mais sensibilidade para com o índio e ceder. Como pérola entre pérolas de desconstrução anti-civilizatória e antidemocrática, interpreto ser a prática dogmática e estereotipada de membros do MPF, pela qual inexiste a figura de restituição de posse pelo legítimo proprietário, de qualquer área invadida por índios.

Sim, pois, religiosamente, a restituição de posse é contestada pelo MPF. Noutros termos, a violação de direitos constitucionais de uns, quando promovida por grupos indígenas, ganha um “salto dialético-qualitativo” e passa a ser fundante de direitos fantasmáticos. Desconstrutora, dia-bólica, ainda, leitor, é essa “práxis dialética”, enquanto lição pedagógica para a promoção da falta de limites e desrespeito aos direitos alheios.

Como última página desse capitulo triste de nossa história, temos a nomeação para o Ministério da Defesa, justamente um personagem que envergonhou o Itamarati, por seu rela-rela com ditadores africanos, o fascismo iraniano e o falastrão venezuelano. Para ele, narcotraficantes das FARC não são terroristas. Jóia dessa coroa do mal, a submissão brasileira aos caprichos de Evo Morales, que culminou na ocupação da refinaria da Petrobrás, na Bolívia. Nunca descemos tão baixo. Perdi a esperança com a tal Presidenta.

(*) Valfrido M. Chaves é psicanalista.

O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...
Desglobalização seletiva
Para muitos analistas, a desglobalização significa a tendência das nações se fecharem para o comércio internacional. Neste movimento estão incluídos ...
Terça-feira de carnaval não é feriado
Bem ao contrário do que a maioria pensa, a terça-feira de carnaval não é considerada oficialmente feriado nacional. O mesmo ocorre com a quarta-feira...
Desenvolvimento Sustentável: Utopia ou uma possibilidade real?
Ao enfrentar um novo paradigma na sociedade, a academia, o marketing empresarial, relatórios executivos e até discursos eleitorais apelam para a “con...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions