A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

30/12/2014 08:50

Dificuldades do novo ano

Por Francisco das C. Lima Filho (*)

Estamos finalizando o ano de 2014, um ano de escândalos e decepções.

Tivemos a realização da copa do mundo no Brasil, uma grande decepção para os brasileiros ao verem a seleção perder de sete a um para a Alemanha.

Os elevados e ainda não justificados gastos na construção de estádios e outras obras, sequer terminadas, poderiam ter sido canalizados para o atendimento das necessidades no campo da educação e saúde, por exemplo.
Tivemos também as eleições gerais, talvez as mais disputadas na História do Brasil, e que revelaram as entranhas do Governo.

Apesar das graves denúncias feitas na campanha e do uso de métodos não exatamente leais, especialmente o terrorismo sobre os menos favorecidos que se alegava poderiam perder os benefícios assistencialistas do Governo, o povo terminou reelegendo, por pequena maioria, a Presidente da República.

Passadas as eleições, o país está às voltas com mais um e talvez um dos maiores e mais graves escândalos de corrupção envolvendo grandes empresas, empresários, agentes públicos e a maior e talvez a mais importante empresa pública do Brasil, que “está no chão” e enfrenta ações inclusive no exterior por descumprimento de regras legais e éticas no campo dos negócios internacionais.

Várias pessoas que estariam envolvidas nesse escândalo foram ou estão presas, e a cada dia, acordamos ou vamos dormir com novas e mais graves denuncias envolvendo pessoas do mundo político/empresarial, o que causa vergonha e repulsa nos brasileiros.

Na economia são evidentes os sinais de crise apontando para um novo ano de extremas dificuldades, especialmente para as classes menos favorecidas. Enquanto isso, a Chefe do Governo parece se encontrar no “pais das maravilhas”, pois não admite a gravidade da situação “terceirizando” a responsabilidade - que é de seu governo -, culpando uma imaginária crise internacional como se isso convencesse alguém.

O crescimento da economia em 2014, mesmo agora nas festas de final de ano, foi simplesmente ridículo, e para o ano que vem os especialistas apontam grandes dificuldades, o que causa muita apreensão no mundo dos investidores que poderão migrar do Brasil para outros países em que haja maior segurança comprometendo o emprego de muitos brasileiros.

Em que pese o estranho discurso do atual Ministro da Economia demonstrando não sabe com que base impressionante otimismo, o futuro Ministro sinaliza com a adoção de medidas duras que vão atingir de cheio todos os brasileiros, e muitos poderão perder o emprego agravando ainda mais a crise.

É preciso está atento para essa realidade que não pode ser mascarada com discursos falsos ou promessas de “reformas” que jamais se realizam.

É hora de se pensar com mais seriedade nessa situação até mesmo para evitar que a crise que já é séria, se agrave ainda mais. Mas mesmo assim, necessário acreditar que os corruptos envolvidos nos escândalos de corrupção serão punidos e não venham ocupar nenhum cargo público neste ou em futuros Governos, e que as duras medidas anunciadas pelo futuro Ministro da Economia possam recolocar o Brasil no caminho do progresso com menos sacrifício possível, principalmente às classes menos favorecias.

Que possamos ter um Novo Ano de recuperação com menos sacrifício possível e com mais ética e seriedade.

(*) Francisco das C. Lima Filho, desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região

 

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions