A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

05/12/2016 09:31

Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Por José Luiz Tejon Megido (*)

Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações: o dólar alto sinaliza coisa atraente para a economia, do ponto de vista da balança de pagamentos e estímulo aos produtores rurais.

Vale considerar e explicar que nosso agro está pleno de riscos, não temos seguro rural e portanto, vivemos o jogo do mercado muito mais expostos do que nossos principais concorrentes. Além dos custos, impostos e péssima infraestrutura de estradas, ferrovias, portos e armazenagem. Logo, oferta, demanda, São Pedro e dólar fazem o show dos altos riscos do produtor brasileiro.

O ritmo dos negócios estava lento, e se a perspectiva para a virada do ano for de um dólar a R$ 3,60, por exemplo, poderíamos voltar a ter cotações para a soja na casa dos 90 reais uma saca de 60 kg no Porto de Paranaguá.

Hoje estão na faixa de 79 a 80 reais, e na semana passada atingia 81 reais, no Porto de Santos. O plantio da soja já atingiu 73% da área no país e no Mato Grosso já ultrapassou 90%, da mesma forma se espera uma segunda safra de milho recorde.

Estamos partindo para uma provável supersafra, neste período 2016/2017, com preços positivos, graças ao provável São Dólar. Milho e soja crescendo para o mercado interno e exportação. Salvação da economia!

(*) José Luiz Tejon Megido é conselheiro fiscal do CCAS (Conselho Científico Agro Sustentável), dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions