A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

11/06/2017 10:00

Educação para a Diversidade

Por Renan Antônio da Silva (*)

A diversidade de situações como expressão de desigualdade com sentido quantitativo constitui-se na dimensão tradicionalmente realçada nas análises sobre os processos de desenvolvimento. Tome-se a noção de desenvolvimento desigual que expressa, a rigor, uma característica intrínseca ao desenvolvimento capitalista que dá lugar aos processos de diferenciação entre os agentes econômicos (concentração de capital), entre as regiões (concentração espacial) e mesmo entre os países.

O sentido quantitativo da desigualdade fica evidente quando as situações de iniqüidade resultantes do processo de diferenciação são avaliadas através da comparação entre “os que têm mais” e os “que têm menos”, comparações que carregam, ao menos implicitamente, uma expectativa de convergência. Colocando em pauta a homossexualidade, em que direitos ou liberdades são cerceadas por conta de preconceitos, deixando um grupo social apenas na busca por aquilo que lhe é de direito, mas que não pode ser realizado, ocasionando uma desigualdade.

Diferenças nos contextos político, cultural e econômico geram uma realidade e condições distintas daquelas enfrentadas por gays e lésbicas em países desenvolvidos, e até mesmo, em uma mesma localidade, onde um homossexual rico contempla de mais respeito do que um homossexual pobre, tendo uma capacidade valorizada e outra negada (respeito por sua orientação sexual e desvio por sua renda).

Diferenças e identidades, multiculturalismo e diversidade têm sido palavras largamente utilizadas para marcar posições democráticas que pretendem ter uma leitura social da realidade. Entretanto, essas mesmas palavras também têm sido distorcidas, utilizadas de modo a justificar práticas sociais que induzem ao erro e levam à manutenção da dialética da exclusão/inclusão social. Em muitos casos, a utilização do termo "diferente" agrega preconceitos, como a homofobia.

Conforme estudos realizados pelo Ministério da Educação (MEC) desde o início da década de 1980 ocorreu um aumento da luta de grupos civis LGBTTT a procura da inserção de assuntos sobre gênero, sexualidade, diversidade sexual para que haja um combate à discriminação e proporcione a inclusão social no mercado de trabalho e demais relações sociais, porém, mesmo com o aumento de luta (formação de novos grupos – ONGs LGBTTT), a violência contra este grupo continua , e em muitos casos, é estampada em revistas e jornais.

No Brasil, entre janeiro e dezembro de 2011, foram denunciadas 6.809 violações aos direitos humanos contra a população LGBTTT, envolvendo 1.713 vítimas e 2.275 suspeitos. A média de violações diárias no período foi de 18,6. A maioria dos agressores (61,9%) são conhecidos da vítima. O perfil das vítimas é de 34% do gênero masculino, 34,5% do gênero feminino, 10,6% travestis, 2,1% de transexuais e 18,9% não informado. A maioria das denúncias (41,9%) foram feitas ao Disque 100 pela própria vítima. Os dados são do Relatório sobre violência homofóbica no Brasil.

A história da sociedade brasileira pode ser contada como uma história social e política da violência, o recrudescimento da criminalidade geral e a multiplicação de suas faces e dimensões, atingindo em especial e inexoravelmente crianças, adolescentes e mulheres, possibilitam dizer que se está diante de uma nova fase dessa história.

A diversidade sexual humana está compreendida em um momento histórico contemporâneo marcado por interpelações da sociedade civil organizada em manifestar-se mediante movimentos sociais e desenvolvimento de trabalhos voltados ao campo do combate a todos os tipos de preconceito e de atendimento ao cidadão discriminado. Ela também se insere em uma conjuntura complexa de valores, culturas, leis e concepções críticas científicas ou do senso comum. Esse crescimento nas discussões frente à diversidade sexual e a maior visibilidade destes frente à sociedade, que ainda se mostra conservadora e muitas vezes ignorantes relaciona-se às transformações sociais, influenciadas pelo sistema capitalista atraente aos olhos dos que criam modelos de comportamento e de entretenimento a todas as classes e gêneros e pela globalização das relações sociais entre as nações, pois países mais desenvolvidos possuem uma visão ampliada e modernizada da multiplicidade de gêneros e das redes de atendimento comercial, assistencial e de saúde que a ela são oferecidas, influenciando assim os países em desenvolvimento. Porém, mesmo com esse desenvolvimento, observa-se no Brasil o esconder das sexualidades não padronizadas.

Educar as novas gerações, realizar uma reeducação através dos veículos de informação presentes no cotidiano das famílias, de todas as classes sócio-econômicas voltadas à trabalhar a sexualidade humana e suas múltiplas formas de expressão corresponde à transformar a realidade social das minorias discriminadas, neste caso, dos LGBTTT’s, no sentido de quebrar com uma tradição pejorativa construída pelos homens através da história, demonstrar a diversidade sexual humana positivamente, com vistas a promover a inclusão social com respeito e igualdade, trabalhar as pessoas para que a orientação sexual não seja motivo para discriminação e violência contra um sujeito.

À partir da proposta de combate ao preconceito e garantia de cidadania pelo Estado, o autor indaga sobre a formação de um novo sujeito, que responderá positivamente à diversidade, tanto cultural como sexual que promoverá igualdades e será tolerante a todas as formas de expressão da pessoa.

Para promover a igualdade entre as pessoas, devem ser trabalhadas várias questões, sendo uma delas a própria tolerância, e a ruptura com modelos conservadores que dificultam o processo de construção de uma cidadania exercida por todos. Os problemas psicológicos e neurológicos, religiosos e culturais que afastam a igualdade dos valores de cada pessoa. Discriminar as diferenças é errado, por mais uma pessoa muçulmana não será igual a outra que é católica, ou um pernambucano do paulistano, uma mulher de uma transexual, é importante frisar a igualdade em linhas legais, para que esse preconceito não seja instalado na sociedade causando conflitos sociais.

Encerrando a presente idéia, é possível verificar que qualquer grupo de pessoas, com interesses semelhantes, pode agir através de movimentos que pressionem o Estado a responder através das políticas suas dificuldades, porém não se esquecendo que mesmo sendo específicas as reivindicações o problema social instalado diz respeito a todos. Não é necessário encontrar culpados, mas sim o porquê da ocorrência dessas situações e buscar formas para transformar essa realidade.

(*) Renan Antônio da Silva é antropólogo e pesquisador. É doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", UNESP - Araraquara. Realizou estágio doutoral com bolsa CAPES/PDSE junto ao Centro em Investigação Social (CIS/ISCTE-IUL), em Lisboa/Portugal, na linha temática Gênero, Sexualidades e interseccionalidade (2015-2016). E-mail: lepp@rc.unesp.br

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions