A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

15/01/2012 11:30

Evandro Lins e Silva: uma breve homenagem

Por Wadih Damous*

“Uma vida longa dá para tudo.” Certa feita foi assim, parodiando o escritor português Miguel Torga, que Evandro Lins e Silva expôs sua percepção do tempo decorrido e de sua trajetória dentro dele. E, de fato, a vida longa de Evandro deu mesmo para tudo. Para ser o advogado excepcional, tribuno inigualável, defensor dos perseguidos de toda natureza, inclusive os mais de 1.000 políticos vitimados pelo Estado Novo, a quem prestou assistência jurídica gratuita; para ser o homem de Estado, ministro das Relações Exteriores e Chefe da Casa Civil do Governo João Goulart; para ser o membro respeitado do Poder Judiciário, exercendo com denodo democrático e destemor o alto cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal, de onde saiu cassado pela ditadura militar por sua incompatibilidade com aquele nefando regime de força. E deu mais. Deu ainda para ser de novo advogado e atuar, como procurador da Nação brasileira, no memorável movimento pelo afastamento do presidente Fernando Collor.

Com tantos títulos, merecidamente conquistados a custa de seus estudos jurídicos e temperados por uma carreira profissional absolutamente brilhante, Evandro Lins e Silva tornou-se, inegavelmente, um dos maiores vultos da advocacia brasileira. Dele pode-se dizer que compreendeu com exatidão, levando a efeito prático, o papel que esse profissional tem a desempenhar na sociedade e na história do país, desde as lutas abolicionistas de Luis Gama e Rui Barbosa, passando pela ação missionária de Sobral Pinto, o católico militante que defendeu Prestes, comunista e ateu convicto, até chegarmos aos nossos heróis da categoria que, com o risco de suas próprias vidas, enfrentaram os anos sombrios da ditadura militar.

Em Evandro Lins e Silva a advocacia sobressaia-se respeitosa perante a sociedade, porque o profissional sempre esteve, de mistura, amalgamado de dotes técnicos, dirigidos à defesa dos clientes e ao cumprimento do mandato, e do espírito elevado de protetor dos valores necessários à edificação de uma sociedade justa, fraterna e igualitária. Pernambucano de origem, nascido no Piauí, Evandro formou-se na Faculdade de Direito do Estado do Rio de Janeiro em 1932, vivenciando os acontecimentos desencadeados pela Revolução de 1930, que pôs abaixo a República Velha. Dele mesmo nos vem uma breve avaliação do que foram aqueles anos de estudo: “período tumultuado, com a revolução de 1930 de permeio, passando por decreto e sem exames, em curso deficientíssimo, reduzido a quatro anos por uma reforma de ensino, raras aulas frequentadas”. Destarte, pode-se idear que sua notável cultura jurídica tenha sido forjada muito mais por sua vontade autodidata, ao largo da formação escolar clássica. E foi ainda enquanto estudante, ao assistir a um julgamento, que adveio sua paixão da vida toda, a advocacia criminal e o júri, lugar em que seguramente passou a maior parte de sua vida profissional e do qual se tornou um de seus maiores expoentes. Certamente o seu caso de estréia na Corte popular em muito contribuiria para o fatalismo dessa paixão: era a defesa de um réu chamado Otelo, que assassinara a amante, evocando, na forma e no fundo, a tragédia clássica de Shakespeare.

Sobre o grande advogado, jurista, político, homem de Estado, homem de letras (acadêmico da ABL, onde ocupou a Cadeira número 1) homem de esquerda, fundador do Partido Socialista Brasileiro, há tanto o que dizer, sempre avultando, enaltecendo, divulgando os feitos. Os 100 anos que Evandro estaria completando, certamente teriam ainda dado para fazer mais ainda. E não porque tenha faltado algo, mas sim porque de e em Evandro Lins e Silva o fazer coisas implicava no exercício diário da plena cidadania, da busca constante pela justiça. Em seu discurso de posse na Academia Brasileira de Letras, o próprio Evandro nos revela o segredo de sua humanista missão. Novamente citando Miguel Torga, afirmou então que continua ria “com a mesma pertinácia a ser sinaleiro da esperança no caminho de quantos, neste vale de lágrimas, desesperaram de a encontrar”. E, de fato, Evandro foi e continua ser esse sinaleiro para todos nós.

(*) Wadih Damous é presidente da OAB-RJ.

Inteligência espiritual
Parece-me que há alguns estudiosos de psicologia que costumam misturar ciência com religião, duas atividades mentais bem distintas, com metodologias ...
A regulamentação do Lobby no Bra
Desde 1989 o Projeto de Lei do Senado que propõe regular a atividade de Lobby no Congresso Nacional, PLS 203/89 de Marco Maciel (DEM- PE), está no Co...
Desarranjo planetário
Enfrentamos um desarranjo global na gestão pública. Os líderes se afastam da ideia de que são responsáveis por imprimir melhora geral na qualidade hu...
Tudo pelo cliente
Muitas pessoas me perguntam como é o meu dia a dia, como é administrar uma das marcas mais valiosas e admiradas do Brasil. Posso dizer, sem falsa mod...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions