A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 28 de Junho de 2017

30/10/2011 08:05

Freud: As mentiras universais

Nelson Valente*

O leitor poderá ficar surpreso de saber, por exemplo, que Freud jamais usou em seus escritos as palavras EGO, ID E SUPEREGO. Ele preferia usar palavras e expressões comuns do dia a dia.

Suas obras em alemão estão escritas numa linguagem que as torna compreesnsíveis para o público em geral. Em inglês, seus termos receberam uma aura de linguagem técnica pela utilização de palavras latinas, quando palavras mais simples teriam bastado. Das Ich, das Es e das Über-ich, significam o Eu, o “aquilo” e o Supra-Eu ou “aquilo que está acima de mim”. Estes termos possuem sentido mais pessoal que os insípidos Ego, Id e Superego.

Outro erro lamentável foi a eliminação em inglês da palavra alma, substituindo-a por Mente. Por exemplo, Seelentätigkeit que significa atividade da alma, foi traduzida por “atividade mental”. O intuito era tornar Freud mais “científico”. Isto pode ser parcialmente atribuído a uma deficiente tradução das obras de Sigmund Freud.

Freud escreveu seus livros em alemão, num estilo tão eloquente que mereceu o Prêmio Ghoethe de literatura de 1930. Muitas de suas expressões originais, porém, não encontraram pronta tradução no idioma inglês.

Os franceses fazem de conta que brigam com o inglês, mas têm medo mesmo é do alemão. Desde a queda de Berlim, a Europa do Leste transformou-se num bolsão de poliglotismo alemão e há muita probabilidade de que o alemão se imponha na Europa!

Nunca, no mundo, alguém conseguiu impor a língua estrangeira dominante. Os romanos foram mestres do mundo, mas seus eruditos conversavam em grego entre si. O latim se tornou a língua europeia quando o império romano desmoronou. No tempo de Montaigne, o italiano era o vetor da cultura. Depois, durante três séculos, o francês foi a língua da diplomacia. Por que o inglês, hoje? Porque os Estados Unidos ganharam a guerra e porque é mais fácil falar mal o inglês do que falar mal o francês ou o alemão. O que não impede que os franceses falem de uma “colonização” de sua língua pelo inglês.

Os antigos mitos de Édipo, Eros e Psique, foram usados como referências alegóricas e aspectos da condição humana e não como rótulos de complexos mentais.

O sucesso de tornar o estudo do inconsciente um respeitável “empreendimento científico pertence a Sigmund Freud (1856-1939)”. Seus escritos acerca do inconsciente e da interpretação de sonhos provocaram tremendo impacto no pensamento europeu de princípios do século XX. Mesmo hoje, ao término do mesmo século, seu nome e “suas teorias” têm ampla circulação em livros universitários.

As descobertas de Freud, porém, não eram totalmente novas como geralmente acontece com os avanços científicos. A existência do inconsciente já havia sido postulada por outros antes de Freud. Filosofias Orientais havia séculos, tinham conhecimento do inconsciente. Freud reconheceu a existência de ambas as polaridades, material e espiritual, embora outros tenham optado por uma visão unilateral de sua obra.

O próprio Freud, porém, jamais foi contrário a esses esforços. Sua intenção era de compreender a totalidade da condição humana. Em suas atividades clínicas encontrou exemplos de fenômenos telepáticos e parapsicológicos. Embora seja verdade que Freud foi um crítico severo de todas as crenças supersticiosas, é igualmente verdade que ele jamais negou a existência dos chamados fenômenos ocultos. Escreveu ele:

“Sem dúvida o leitor gostaria que me prendesse a um teísmo moderado e me demonstrasse inexorável em minha rejeição de tudo que é oculto. Mas sou incapaz de bajulação e devo incitá-lo a ter pensamentos mais favoráveis à possibilidade objetiva da transmissão de pensamentos e ao mesmo tempo da telepatia. Não vou assumir a posição que nada mais sou que um psicanalista, de que os problemas do ocultismo não me interessam”.

Em sua vida e obra, Freud em verdade observou a recomendação inscrita no templo de Apolo, em Delfos, “Conhece-te a ti mesmo” e, desejava nos ajudar a fazer o mesmo.

(*) Nelson Valente é professor universitário, jornalista e escritor

5 características dos grandes líderes que beneficiam suas equipes
Ter habilidade de liderança empresarial é um fator muito importante para que os chefes de equipe consigam guiar seus profissionais, para que eles se ...
Da imensidão dos universos
Quando começamos a pensar sobre a imensidão dos universos nos deparamos com a sabedoria de Deus, que é inescrutável, imensa, soberana, infinita. Que ...
Parlamentar com 8 inquéritos é membro do Conselho de Ética
O país das excelências tem vergonhosamente assentado em Conselhos de Ética políticos que desmerecem o nosso respeito, a nossa consideração, pois enve...
Heróis brasileiros
A cultura é uma lente através do qual as pessoas se encontram no mundo. Infelizmente para esse assunto, não encontramos uma rica literatura mas encon...



Nao querem que nada mude, querem nos deixar todos no mute, eternamente!!!
 
Vinicius Paula em 30/10/2011 10:09:46
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions