ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 19º

Artigos

Ghosting: uma epidemia das relações modernas

Por Cristiane Lang (*) | 24/06/2024 13:30

Nos últimos anos, um fenômeno tem se tornado cada vez mais comum no contexto das relações interpessoais, especialmente no campo dos encontros e namoros: o ghosting. Este termo, derivado da palavra inglesa "ghost" (fantasma), descreve a prática de encerrar toda comunicação e contato com alguém sem qualquer aviso ou explicação, fazendo com que a pessoa abandonada se sinta confusa e emocionalmente prejudicada. Este artigo examinará as origens, causas, consequências e possíveis formas de lidar com o ghosting.

Origem do Termo e Contexto Cultural

O termo "ghosting" começou a ganhar popularidade na década de 2010, com o advento das redes sociais e aplicativos de namoro. A facilidade de conhecer novas pessoas e a superficialidade das interações online contribuíram para a disseminação dessa prática. Em um mundo onde as conexões podem ser feitas e desfeitas com um simples deslizar de dedo, o ghosting tornou-se uma saída fácil para evitar confrontos emocionais.

Causas do Ghosting

Diversos fatores podem levar alguém a optar pelo ghosting em vez de uma conversa honesta para terminar um relacionamento:

1. Conveniência: É mais fácil desaparecer do que enfrentar uma conversa potencialmente desconfortável.

2. Medo de Confronto: Muitas pessoas preferem evitar confrontos diretos e as emoções negativas que podem surgir.

3. Superficialidade das Relações: Nas interações online, onde os laços são frequentemente frágeis e superficiais, é mais comum que as pessoas sintam menos responsabilidade emocional.

4. Ansiedade Social: Alguns indivíduos, especialmente aqueles com ansiedade social, podem achar extremamente difícil comunicar seus sentimentos de forma direta.

Consequências Emocionais

O ghosting pode ter um impacto profundo na pessoa que é deixada sem explicação. As consequências incluem:

1. Confusão e Insegurança: A falta de encerramento deixa a pessoa se questionando o que fez de errado.

2. Baixa Autoestima: A sensação de rejeição sem justificativa pode abalar a autoconfiança.

3.Problemas de Confiança: Quem já foi vítima de ghosting pode ter dificuldade em confiar em futuros parceiros.

4. Ansiedade e Depressão: Em casos mais severos, o ghosting pode contribuir para o desenvolvimento de problemas de saúde mental.

Como Lidar com o Ghosting

Embora não exista uma fórmula mágica para evitar ser vítima de ghosting, algumas estratégias podem ajudar a lidar com a situação:

1. Autocompaixão: Entender que o ghosting é mais sobre a outra pessoa do que sobre você pode ajudar a mitigar sentimentos de culpa.

2. Buscar Encerramento Interno: Mesmo sem uma explicação, encontrar uma maneira de fechar o capítulo pode ser crucial. Isso pode envolver escrever uma carta (que não precisa ser enviada) ou falar sobre a experiência com amigos ou um terapeuta.

3. Estabelecer Limites: Aprender a reconhecer sinais de desinteresse e estabelecer limites claros pode ajudar a evitar envolvimentos com pessoas propensas a ghosting.

4.Foco no Futuro: Envolver-se em atividades que trazem alegria e propósito pode ajudar a superar a dor emocional.

O ghosting é uma prática prejudicial que se tornou uma parte lamentável das relações modernas, especialmente no contexto digital. Entender suas causas e consequências é o primeiro passo para lidar com essa experiência de maneira saudável. A promoção de uma comunicação aberta e honesta nas relações pode ajudar a reduzir a incidência de ghosting, incentivando conexões mais autênticas e respeitosas. Em última análise, ao enfrentar e discutir o ghosting, podemos trabalhar para criar um ambiente onde as relações humanas sejam tratadas com a seriedade e o respeito que merecem.

(*) Cristiane Lang é psicologa clínica.

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do portal. A publicação tem como propósito estimular o debate e provocar a reflexão sobre os problemas brasileiros.

Nos siga no Google Notícias