A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 23 de Maio de 2017

03/01/2012 08:24

Há ética no Congresso?

Vladimir Polízio Júnior*

Frederico Luís Schaider Pimentel foi juiz de direito no Estado do Espírito Santo até março de 2010, quando o Pleno do Tribunal de Justiça (colegiado formado pelos desembargadores mais antigos) decidiu, por unanimidade, pela sua demissão. Contra esse magistrado, investigado pela Operação Naufrágio, promovida pela Polícia Federal, pesavam fortes indícios de tráfico de influência e venda de sentença, e o relator do processo administrativo que culminou na sua expulsão da magistratura, desembargador Carlos Simões Fonseca, afirmou não ter “dúvidas de que Pimentel também incorreu na prática de corrupção passiva majorada, exploração de prestígio e advocacia administrativa qualificada.”

Em junho de 2011 o ex-juiz requereu junto à OAB autorização para advogar. O pedido foi negado pelo Conselho da OAB/ES (Ordem dos Advogados do Brasil da Seccional do Espírito Santo), onde os 32 membros acompanharam o parecer do conselheiro relator, Rivelino Amaral: "A Ordem dos Advogados do Brasil não é repositório de excluídos da magistratura por hipossuficiência ética", acrescentando "Como afirmou o presidente do Conselho Federal, Ophir Cavalcante, ‘aquele que não serve para ser juiz não pode servir para ser advogado'".

Na política, contudo, a situação é diferente. Em 07 meses, foram 07 ministros demitidos, sendo 06 deles com fortes indícios de condutas criminosas. Mas a suposta prática de crimes é forte apenas para extirpá-los dos ministérios, e não do Congresso Nacional ou dos altos escalões de partidos políticos, o que lhes garante mantença do poder e achincalha o senso de ética que deveria permear toda a Administração Pública.

O bom senso ensina que aquele que não tem a ética necessária para ocupar um importante cargo na República, como o de ministro, também não deveria ter o direito de influenciar decisões políticas importantes. Noutras palavras, deveriam ser enxotados da vida pública em uníssono consenso, pois quem não serve para ser ministro por hipossuficiência ética não pode servir para ser político. Sem dúvida, esse é o maior obstáculo da nossa democracia.

(*) Vladimir Polízio Júnior, 41 anos, é defensor público

(vladimirpolizio@gmail.com)

Da urgência à eficiência
Por estes dias fui num cabeleireiro e ouvi um comentário sobre um cliente que lhe deve e não paga. Segundo este, o cliente culpa a crise econômica po...
Escravização, trabalho, imaginário e imprensa
A relação da imprensa com a abordagem do trabalho nunca foi tranquila. Isso porque a visão da mídia no campo do trabalho está muito associada ao aten...
Admirável (ou Abominável) Mundo Novo
Volto a escrever sobre a Previdência. Não me move o oportunismo de aproveitar o mau momento do governo que promove reformas tidas e havidas como rede...
A questão ambiental nas empresas
A questão ambiental há algum tempo tem emergido como uma questão importante na gestão das empresas e os benefícios estratégicos da preservação ambien...



BELÍSSIMO ARTIGO, DR. VLADIMIR, E BEM OPORTUNO E EXEMPLAR: QUEM NÃO SERVE PARA SER MINISTRO, NÃO DEVERIA SERVIR NEM PARA SER EDIL(OBS: SEM DEMÉRITO DA FUNÇÃO). MAS, INFELIZMENTE EM NOSSA "TERRA BRAZILIS" ESSA VELHA MÁXIMA NÃO SE APLICA, POIS PRATICAMOS AQUI A DEMOCRACIA "BURRA", O MINISTRO PERDE O CARGO E FICA POR ISSO MESMO!!!
DISPOMOS DE PÉSSIMOS EXEMPLOS EM NOSSA VIDA PÚBLICA BRASILEIRA.
 
EDWAR DE OLIVEIRA em 03/01/2012 10:00:58
A culpa de ter maus políticos não é da Democracia e sim totalmente do Eleitor, que não consegue eleger ninguem analisando a vida em todos os sentidos. Basta analisar o camarada que já é rico o que vai fazer na política? Alguma coisa estar errado com Ele, não cuida nem das suas empresas e quer ser político. Vontade de trabalhar? Rico não pensa em ajudar pobre, a menos que tenha vindo de pobresa.
 
luiz alves pereira em 03/01/2012 08:04:26
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions