A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 18 de Outubro de 2019

04/12/2015 10:27

Impeachment é a última cartada de Cunha

Por Gabriel Bocorny Guidotti (*)

Dilma Rousseff conquistou a eleição de 2014 legitimamente. Apesar do berreiro da oposição, o mandato se confirmou, inaugurando um primeiro ano de reeleição que teve baixos e baixos, inquestionavelmente. A crise política e econômica se agravou sem precedentes. E agora, neste dezembro natalino, quando os ânimos deveriam esfriar, eis que o contrário acontece. O país chegou ao ápice da convulsão jurídica e moral. A história corre perante nossos olhos: está aberto o processo de impeachment da presidente da República.

No início da tarde de quarta-feira (02), a bancada do PT na Câmara votou pelo prosseguimento da ação que busca caçar o mandato do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Houve repentina mudança de postura do partido. De tempos para cá, os petistas vinham mimando o peemedebista na tentativa de melhorar as relações com o Congresso. A resposta veio a galope. No final do mesmo dia, Cunha anunciou, em coletiva, o acolhimento do pedido de impeachment impetrado pelos juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale Jr.

A manobra foi um duro golpe nas intenções do PT. Dilma, às pressas, veio a público falar sobre o assunto, em coletiva de imprensa. A presidente criticou severamente a decisão de Cunha, afirmando que as provas do pedido são “inconsistentes”. Ela acredita no arquivamento do processo. Até o desfecho, todavia, o pesadelo da petista vai continuar tirando o seu sono. Há duas opções viáveis: cai Cunha, sozinho, ou ele puxa junto a presidente para dentro do abismo.

Tão logo soube da decisão do PT na Câmara, Cunha tratou de aprontar a autorização ao processo de impeachment. Francamente, o ato estava na agenda do deputado desde o início do dia? Evidentemente que não. Agir por retaliação é um desapreço, um desrespeito ao voto popular. E com requintes de golpismo. Em síntese, o Brasil virou cenário de guerra entre facções políticas. Não foi a lei que decidiu o rito de impeachment, mas sim o ódio de Cunha pelo PT.

Os episódios das últimas semanas demonstram que a democracia em nosso país necessita uma consistente reforma. Nesses moldes, dominada por interesses partidários, não serve. Cunha carece de idoneidade para autorizar um processo dessa monta. Dilma não tem a competência necessária para governar. Talvez seja melhor para o Brasil que os dois pereçam abraçados. Mas pelos motivos certos. De outro modo, temo pelo futuro de nossa nação.

(*) Gabriel Bocorny Guidotti, bacharel em Direito e estudante de Jornalismo de Porto Alegre (RS)

 

Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
As mulheres e Einstein
Fato incomum: 1.900 mulheres discutindo agronegócio, de questões mercadológicas a tendências de tecnologia, sustentabilidade, gestão, diplomacia ambi...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions