A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 22 de Outubro de 2017

12/04/2013 15:08

Injustiças na aposentadoria

Ruy Martins Altenfelder Silva (*)

Não é de hoje que o interesse público se confunde principalmente com o interesse dos detentores do poder, políticos e burocratas, que, enquistados no aparato do Estado, querem estabilidade e bons proventos, sendo o serviço à sociedade um mero efeito colateral. A constatação é do jurista Ives Gandra Martins, que credita a rejeição social aos tributos, ao fato de que todos sabem que eles se destinam mais a manter os privilégios dos governantes do que a financiar os serviços públicos.

Para ele, um exemplo é a existência de dois tipos bem diferentes de aposentadorias. Privilegiando o que chama de super-elite nacional, o déficit gerado para atender a menos de um milhão de servidores superou os 50 bilhões de reais em 2011, contra o os pouco mais 40 bilhões provocado pelos pagamentos a 24 milhões de “cidadãos de segunda categoria – o povo”.

O peso das aposentadorias dos servidores também onera as finanças das instituições públicas que administram orçamento próprio. É o caso da Universidade de São Paulo (USP), cujo reitor João Grandino Rodas veio recentemente a público para informar que o gasto com pessoal (ativos e elevado número de inativos) consome 93% de um orçamento de 4,3 bilhões de reais, pouco sobrando para investimentos em outras áreas.

Até agora, as soluções foram de pouca valia, apenas atenuando o problema. Por mais que se comprima o valor dos benefícios aos cidadãos comuns (hoje variando de 678 a 4.157,05 reais) e dos servidores, o sistema previdenciário peca por outros erros, como a ampliação do leque de beneficiários sem a contrapartida do aumento da receita (gerada pelas cotas pagas pela empresa e pelo trabalhador) – isso sem falar na destinação de seus recursos para outros fins, o que representa uma sangria, mesmo que a aplicação fosse legítima.

As despesas incharam com a incorporação do seguro-desemprego; o direito de ingresso no sistema a qualquer cidadão, mesmo que nunca tenha recolhido a contribuição; a extinção das diferenças entre trabalhadores rurais e urbanos.

Não se pode negar a justiça dessas medidas que visam amparar garantir uma renda mínima a brasileiros idosos e menos favorecidos. Mas pode-se questionar se tais recursos não deveriam sair de outras fontes, como acontece com os recursos que financiam programas sociais do governo, entre os quais estão o Bolsa-Família, o Brasil Carinhoso e outros. Fica aqui a sugestão.

(*) Ruy Martins Altenfelder Silva é presidente da Academia Paulista de Letras Jurídicas (APLJ) e do Conselho Superior de Estudos Avançados da Fiesp.

Um bom texto vai muito além do simples ato de escrever frases
Todos os dias entramos em contato com diferentes textos. Jornais, revistas, poesia, bulas de remédios e propagandas fazem parte da rotina. Nossa escr...
O desafio de ensinar matemática
No mundo atual, com tanta tecnologia e diversão, como fazer um pré-adolescente, de 12 ou 13 anos de idade, acostumado com computadores, celulares e v...
O futuro do 42º porto do mundo
Embora seja o maior da América Latina e o 42º no ranking mundial divulgado há poucos dias pelo Lloyd´s List Maritime Intelligence, de Londres, o port...
O direito a desconexão do trabalho
Trabalho é meio de vida e não meio de morte. Essa afirmação confronta a realidade de milhões de profissionais brasileiros que são obrigados a enfrent...



O que é mais temeroso é a situação da mulher trabalhadora rural, se o Marido estiver declarado em algum documento outra profissão que não seja de trabalhador rural, mesmo que seja do tempo em que hera solteiro o INSS, indefere alegando que o conjuge não, trabalhava como ruralista.Isso é o cumulo basta que comprove vinculo rural com tempo suficiente terá direito não importa a profissão do conjuge.
 
porfirio vilela em 12/04/2013 17:03:25
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions