A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

31/10/2011 07:05

Lei seca, crime e fiança

Por Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

A fiança, recém instituída na legislação penal brasileira, considerada como um avanço pelos cultores do Direito, vem escandalizando a população e, ao mesmo tempo, tornando ineficientes as ações de defesa da sociedade como, por exemplo, a “lei seca”, que leva para a cadeia motoristas alcoolizados. Surpreendido, o infrator é preso, mas paga a fiança e pode responder o processo em liberdade. Essa válvula legal minimiza o impacto e o temor relativos à punição e, sem qualquer duvida, chega a funcionar como um incentivo para os condutores continuarem bebendo, dirigindo, matando e morrendo em nossas ruas e estradas. Perdeu-se o aspecto “pedagógico” da restrição ao álcool e, por extensão, até ao cometimento de crimes.

Tradicionalmente, a possibilidade do encarceramento, funciona como um freio ao cometimento de crimes e infrações. Quando o indivíduo passa algum tempo atrás das grades, sofre uma série de conseqüências econômicas e sociais, como a perda do emprego e a rejeição no meio onde vive. Daí o empenho para evitar. Mas, com a possibilidade da fiança imediata, corre-se o risco da liberação geral, com sérios prejuízos à sociedade. A máxima de que “cadeia não foi feita para cachorro”, corrente entre os delinqüentes, pode ser acrescida de “nem para quem pode pagar fiança”.

Para ser efetivamente um avanço, a possibilidade de fiança tem de ser seletiva e para faltosos de baixo potencial e sem risco de novo cometimento da falta. Não é o que se verifica com bêbados ao volante ou praticantes de outros crimes que pagam a fiança legalmente arbitrada e podem sair rindo de suas vítimas. Da forma que hoje é praticado, esse instituto gera a ineficiência dos controles da sociedade para com o crime e a infração, mas atende ao interesse do Estado que, na falta de vagas no seu deficiente sistema penitenciário, faz de conta que pune e, com isso, lança-se ao descrédito popular.

Há pelo menos três décadas, o Estado malicioso tem se aproveitado do interesse de estudiosos e legisladores que procuram humanizar e aperfeiçoar a pena e, em vez disso, tem usado suas teses para promover o perdão das penas e o esvaziamento dos presídios. Criou-se coisas como a “saidinha”, os regime semi-aberto e outros institutos que pouco ou nada beneficiam a população carcerária, mas evitam a construção de novos estabelecimentos. Em vez da política de permissibilidade, se realmente estivesse interessado em resolver o problema, o Estado deveria criar condições efetivas de ressocialização do detento para quando, ao terminar sua pena, tivesse ele condições de viver sem voltar a delinqüir. Nessa direção, pouco ou nada tem sido feito, lamentavelmente.

Agora, com a fiança disponível em todas as delegacias, mais uma vez banaliza-se o crime e a sociedade resta, cada dia mais, desprotegida...

(*) Dirceu Cardoso Gonçalves é tenente da Polícia Militar de São Paulo – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assisttência Social dos Policiais Militares de São Paulo)

aspomilpm@terra.com.br

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...


Como nada acontece no Brasil só foi dada a arrancada da lei seca, mas não funciona mais. Você passa após o horário definido pela lei seca e os bares estão abertos e menores de idade, consumindo bebidas alcoólicas , praças lotada com menores bêbados. Exemplo disso está na praça do bairro pioneira. Uma vergonha para sociedade. Cadê os policiais que iriam fiscalizar e punir quem vende bebidas para menor de idade e após o horário da lei seca?
 
rosimeire kubota em 31/10/2011 12:14:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions