A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019

23/02/2012 09:04

Lendo Manoel de Barros

Fábio Coutinho de Andrade (*)

Lendo Manoel de Barros vêm-me à mente imagens de um passado não tão distante. A família reunida na fazenda de meu tio em um feriado qualquer, os peões fazendo a sangria dos bois para alimentar a churrasqueira, a festa a correr solta e nós, crianças, a brincar com moldes de argila, retirada da represa que corria ao fundo.

O descanso da tarde convidava-me a caminhar pelos arredores, ora a pé, ora a cavalo, sozinho ou acompanhado pelos primos, enquanto os adultos faziam a sesta. Não muito longe dali estacávamos os cavalos para um refresco na límpida cachoeira, tendo o cuidado de prender o cabresto de nossas montarias em um ramo qualquer, pois o caminho de volta seria longo, se feito a pé.

As noites eram animadas, com o estalar das madeiras em brasa na churrasqueira, que nunca cessava, e que conduzia um aroma característico pelo ar, do qual eu gostava e que ainda hoje me recordo com muita nitidez. O frescor da noite nos convidava à quietude do repouso e dormíamos ao som dos grilos, sapos e outros habitantes desse estranho mundo.

Pela manhã o cheiro do café já me acordava e, à mesa, doces caseiros, leite tirado na hora e fervido, o qual eu sorvia quase de um gole só e, após me refestelar, perguntava a Dondô, peão local, se meu cavalo já estava arriado. “Sim”, me respondia, “tá pronto, faltante só amarrar a barrigueira”. E lá ia eu preparar o animal para mais um dia de andança ou de corrida com quem se dispusesse a tal.

Por vezes ia espiar os adultos pescando na lagoa, atividade a qual nunca fui muito afeito, embora gostasse de apreciar o sabor dos pintados e pacus na hora do almoço, pegos naquela manhã. Outras vezes, avançando a tarde, encontrava algum tio empolgado pelo ritmo das músicas e da festa e ouvíamos um tiro, desferido em direção ao alto. Finda a festança cada um retornava às suas habituais ocupações, na espera de uma reunião próxima.

Imagens que não me fogem da mente de. Mas ficou-me a lição e a memória de dias felizes, resgatados, parcialmente, nas páginas do livro do poeta Sul-Mato-Grossense Manoel de Barros. Sim, Manoel, eu também, em criança, “vi um incêndio de girassóis na alma de uma lesma”.

(*) Fábio Coutinho de Andrade é advogado.

Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
As mulheres e Einstein
Fato incomum: 1.900 mulheres discutindo agronegócio, de questões mercadológicas a tendências de tecnologia, sustentabilidade, gestão, diplomacia ambi...
A humanidade e o poder
Para enfrentar a limitação de recursos da natureza, os humanos têm que superar o egoísmo e encarar a vida com seriedade e solidariedade, estabelecend...
Diálogo de surdos
Imaginem a cena: um professor que repete, repete, repete, sempre da mesma forma, um mesmo conteúdo, em diversas classes, imaginando ter feito a parte...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions