A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

29/06/2011 08:59

"Mal-estar" na Guaicurúndia, por Valfrido Chaves

Por Valfrido M. Chaves (*)

Em sua obra “O Mal-estar na civilização", Freud nos diz que: "... nosso sofrimento provém de três fontes: do poder superior da natureza, da fragilidade de nossos próprios corpos e da inadequação das regras que procuram ajustar os relacionamentos mútuos dos seres humanos na família, no Estado e na sociedade”.

Sabido é que a inteligência e o engenho humano se impôs à natureza de tal sorte que, não obstante fenômenos naturais isolados, a ansiedade atual provem da ação humana impactadora na natureza e não o contrário. A marcha da idade e nossa finitude continuam inexoráveis, mas a idade média dos povos avança e as doenças, a cada dia, menos nos aterrorizam, não obstante algumas patologias neurológicas, celulares e virais ainda não vencidas. Ou seja, até aqui, leitor, considerando que a fragilidade de nosso corpo seja natureza, pode-se afirmar que a humanidade está livre dos temores naturais que a aterrorizaram ao longo dos milênios.

No que tange às relações sociais, tentando nos ater à nossa Terra de Santa Cruz, creio podermos afirmar que, nesse espaço, se situam as maiores fontes de nosso “mal-estar”, com sofrimento, insatisfação, insegurança.

Considerando de onde partimos, o Colonialismo, muito nos afastamos desse berço de “mal-estar”. Em termos históricos, ainda ontem uma de nossas bases étnicas e culturais, a indígena, tinha como pontos centrais de sua civilização, o “festim canibalístico” e o ódio inter-tribal.

Os que chegaram nas Caravelas trouxeram a sede por riquezas, a ocupação territorial não nômade e a famigerada escravatura. Imigrantes, não foram poucos, trouxeram um novo modelo, na tradição do trabalho dignificante e produtivo.

Da cultura negra, cujo suor e lágrimas estribaram a riqueza da Nação, não me ocorre nada terrível que tivesse de ser superado para chegarmos, enquanto povo miscigenado ética e culturalmente, em algo próximo ao que poderíamos chamar como civilização.

Pelo contrário, pois, por inspirações ideológicas euro-asiáticas ultrapassadas em seu berço geográfico, grupos situados no poder central da Republica tentam insuflar ódios étnicos e raciais no seio do povo brasileiro.

O futuro nos falará sobre o sucesso ou fracasso de tais tentativas destinadas a somarem na luta de classes, conceito ao qual se apegam aqueles"aparelhos" ideológicos localizados no Estado brasileiro, acreditando ainda que o conflito seja o motor da história.

Se peneirarmos, encontraremos como pólos do mal-estar entre nós a violência associada às drogas, a corrupção e, ambas, associadas à impunidade. Isoladamente, em MS, teríamos como fonte do “mal-estar” o sucesso na promoção do ódio étnico através da política indigenista do Estado brasileiro que insufla o conflito, a ruptura com direitos estabelecidos e patrulhamento sobre a busca de seus direitos, por parte daqueles que os tem como violados, através das invasões e “identificação de terras indígenas”.

Tal patrulhamento tem se expressado através de entrevistas, como a de um membro do MPF local e outra, do presidente da Funai. O primeiro, sugerindo que o proprietário deva ser “sensível” à causa indígena, cedendo em seus direitos.

O Sr. Márcio Meira, presidente da Funai, afirmando que a “judicialização” da questão, por parte dos proprietários, seria o entrave à solução da problemática. Ou seja, a busca do direito no Judiciário é citada como um mal em si, sem consideração quanto ao seu possível mérito e fundamentação constitucional.

Aqui se manifesta, leitor, por parte do Sr. Meira, e aquele outro membro do MPF, a chamada “negação da negação”, uma das “leis da dialética” marxista leninista, que simplesmente nega a existência do arcabouço legal em que possa se fundamentar o direito alheio e que parece incomodá-los.

Só perguntando então, caro leitor, se hoje está valendo ainda a Constituição de 88 ou estaríamos já sob a vigência do “Estado e a Revolução” de Lenine? Fim ao cabo, leitor, manda a Constiruição ou manda a ideologia, justamente aquela repudiada onde teve origem?

(*) Valfrido M. Chaves é psicanalista e produtor rural.

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions