A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

03/05/2013 14:02

Mãos limpas estarão mais seguras

Luciana Barbosa (*)

O cuidado com a saúde e o simples ato da higienização das mãos são essenciais para prevenir doenças e reduzir infecções. Transformar a lavagem das mãos e o uso do álcool em gel em um hábito frequente é benéfico para todos e pode salvar mais vidas. Principalmente durante a transição das estações do ano, em que o clima está mudando e com isso a circulação do vírus da gripe aumenta, ocasionando um festival de espirros, coriza e tosse, que normalmente são desencadeados por gripes, resfriados e alergias.

Segundo dados do Ministério da Saúde do Brasil, pelo menos duas mil pessoas morrem ao ano em consequência da gripe sazonal, que é a gripe comum. De acordo com autoridades em saúde pública, como o Centro de Controle e Prevenções de Doenças dos Estados Unidos (CDC) e a Agência de Saúde Pública do Canadá, a proliferação do vírus influenza cresceu neste ano na América do Norte que se deparou com alguns tipos de vírus influenza mais difíceis de serem combatidos.

Tendo em vista a importância deste ato, desde 2007, a Organização Mundial da Saúde (OMS) realiza uma campanha mundial e comemora em 5 de maio o Dia Mundial da Higienização das Mãos. A data escolhida pela OMS associa o quinto dia do quinto mês aos cinco momentos da Higiene das Mãos (antes de contato com o paciente; antes da realização de procedimento asséptico; após risco de exposição a fluidos corporais; após o contato com o paciente; Após contato com as áreas próximas ao paciente).

A campanha “Salve Vidas: Higienize as Mãos”, tem como objetivo melhorar a higienização das mãos e reduzir as infecções relacionadas com a assistência à saúde, promovendo a segurança de pacientes, profissionais e demais usuários dos serviços de saúde e conscientizar, principalmente, pacientes e profissionais da área da saúde, que essa é uma das medidas mais eficaz e prática para prevenção de doenças e infecções contagiosas.

(*) Luciana Barbosa, farmacêutica-bioquímica é mestre e doutora em Saúde Pública pela USP, especialista em saúde da pele do trabalhador e gestão da infecção hospitalar. Atualmente é gerente de Qualidade e Regulatory Affairs e Pesquisadora da GOJO América Latina.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions