A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

15/12/2018 10:48

Melhor matar a morte do que perder a vida

Ricardo Viveiros*

O assunto suicídio ainda é um tabu, embora tema de série na internet. E está cada vez mais preocupante, em especial entre jovens. Segundo o Mapa da Violência (Sistema de Informação de Mortalidade do Ministério da Saúde), em dados de 2017, a taxa de suicídios na população de 15 a 29 anos no Brasil subiu de 5,1 por 100 mil habitantes em 2002 para 5,6 em 2014, alcançando quase 10% de aumento em 12 anos.

A vida só perde o sentido quando acaba a esperança.

E o que é a esperança? Não é apenas um sentimento, mas, acima de tudo, uma convicção pessoal, uma certeza de que a vida vale a pena.

Não há esperança sem sonhos, projetos, desejos — motivos para existir.

Viver vale a pena porque você não é dono da vida; porque não foi você que se inventou, criou e integrou ao planeta. Você não pertence apenas a si mesmo, é também de outras pessoas, do mundo. Você não sabe o que vai acontecer no futuro; você pode arquitetar o amanhã ao seu jeito.

Cada pessoa é única. Portanto, valiosa como os diamantes e eterna como eles, porque, mesmo depois de sua morte, será lembrada pelo que fez e representou. Enfim, porque viveu. Não porque morreu.

O suicida não é um covarde; é um corajoso desesperançado.

O escritor francês Albert Camus disse que a única questão verdadeiramente séria da filosofia é o suicídio. A rigor, acho que esse é o mais complexo aspecto do mistério de existir. Morrer por suicídio é uma escolha, uma questão íntima. Uma atitude diante do sofrimento. Uma opção definitiva que se contrapõe aos muitos que morrem sem querer, lutando para continuar vivendo.

Há saída para o suicídio?

Sim, há. E só depende de um olhar duplo e, aparentemente, antagônico. Um olhar fechado no ponto mais profundo do seu ser e aberto para todos os pontos do universo. Vontade de criar uma ponte segura entre você e as infinitas possibilidades da vida. Para descobrir sua conexão com alguma delas. E existem.

Se você acha que não serve para viver, tenha certeza de você é importante para a vida de alguém ou, até mesmo, de muitas pessoas.

Há crianças que foram muito desejadas por seus pais e que, em razão do destino, nasceram com sérios problemas físicos e mentais. São seres aparentemente inúteis para a vida, mas, por outro lado, a razão de ser da existência dos que lhes cuidam com amor e carinho. Há pessoas que tentaram o suicídio, não morreram e se tornaram brilhantes personalidades, descobriram curas para doenças, criaram meios para melhorar a vida de todos. Qualquer ser humano pode ser útil, a si mesmo e ao próximo.

"Viver é perigoso", disse o romancista brasileiro Guimarães Rosa. Por isso mesmo, também é fascinante, mágico, desafiador. Morrer não oferece oportunidade; viver permite chances de mudar qualquer cenário.

Experimentamos tempos difíceis. Cada um tem suas dores. Entretanto, devemos ponderar que é melhor matar a morte do que perder a vida.

*Ricardo Viveiros, 68, é jornalista e escritor. Autor, dentre outros livros, de "A vila que descobriu o Brasil" (Geração Editorial) e "Justiça seja feita" (Sesi-SP Editora

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions