A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

10/11/2011 11:48

Mortes no Trânsito

Vladimir Polízio Júnior*

Atualmente, causar a morte de alguém conduzindo veículo automotor, desde que não seja intencionalmente, gera pena mínima de 2 anos de detenção. Daí porque muitos juízes, horrorizados com a crescente violência das ruas, reconhecendo que a maioria dos acidentes de trânsito envolvem motoristas embriagados, reconhecem que o só fato de postar-se à direção de um veículo após ingerir álcool acima do limite permitido gera uma presunção de dolo, ou seja, de que, mesmo que não tivesse a intenção de tirar a vida de uma pessoa, assumiu o risco desse resultado. A consequência desse entendimento é de que o causador do acidente vai a julgamento pelo Tribunal do Júri, e a pena mínima para homicídio qualificado é de 12 anos de reclusão.

Entretanto, de muito tem reconhecido o STF (Supremo Tribunal Federal) que não se pode imputar a alguém a intenção de um resultado só porque havia ingerido bebida alcoólica antes de dirigir e matar alguém com o veículo. É preciso mais. Como salientou recentemente o Ministro Luiz Fux (Habeas Corpus nº 107.801- São Paulo), em voto divergente vencedor de julgado na 1ª Turma, “...a sua responsabilização a título doloso somente pode ocorrer mediante a comprovação de que ele embebedou-se para praticar o ilícito ou assumindo o risco de praticá-lo” e, citando Guilherme de Souza Nucci, exemplificou que “...quando o indivíduo, resolvendo encorajar-se para cometer um delito qualquer, ingere substância entorpecente para colocar-se, propositadamente, em situação de inimputabilidade, deve responder pelo que fez dolosamente – afinal, o elemento subjetivo estava presente no ato de ingerir a bebida ou a droga. Por outro lado, quando o agente, sabendo que irá dirigir um veículo, por exemplo, bebe antes de fazê-lo, precipita a sua imprudência para o momento em que atropelar e matar um passante. Responderá por homicídio culposo, pois o elemento subjetivo do crime projeta-se no momento de ingestão da bebida para o instante do delito.” A consequência desse entendimento é que o motorista causador de acidente de trânsito que resultar morte responderá, em regra, por homicídio culposo.

Daí a importância do aumento da pena para o homicídio culposo decorrente de acidente de trânsito, nos termos do projeto aprovado pelo Senado no último dia 09. Com a elevação, estará superada a discussão sobre se o motorista alcoolizado tinha ou não a intenção de produzir o resultado quando ligou o motor do seu carro e iniciou a marcha. E quem ganha é a sociedade.

(*) Vladimir Polízio Júnior, 40 anos, é defensor público

(vladimirpolizio@gmail.com)

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...


CONCORDO COM VC ALINE... NÃO É SÓ A EMBRIAGUEZ QUE MATA... EU TB ESTOU PASANDO POR ISSO... MINHA MÃE SEILA A QUAL FOI LHE TIRADA A VIDA EM UM ACIDENTE DE TRASITO E PIOR OS FILHAS DE UMA MÃE BOA... ESTAVAO FAZENDO UM RACHA... INFELIZMENTE MINHA FAMILIA SOFRE E MUITO E ELES NEM SE QUER ESTÃO PRESOS E VÃO RESPONDER EM LIBERDADE... NÃO SEI QUANDO AINDA SERÁO JULGADOS... ACHO QUE TERIA QUE MUDAR A LEI
 
ANA CLEIA DE OLIVEIRA ALFONSO FERREIRA em 10/11/2011 09:50:26
Infelizmente, não é só embriaguez ao volante que mata, excesso de velocidade também!
O sujeito quando excede a velocidade permitida, assume conscientemente o risco de matar o seu passageiro e outras pessoas.
Eu vivi isso na pele no ano passado com meu irmã Marcelo Amaral que faleceu, pois estava na garupa de uma moto e foi tolhida na preferencial por uma manobra mal feita de um carro na Arthur Jor
 
Aline Amaral em 10/11/2011 01:43:06
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions