A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

09/12/2014 16:02

No centro do palco

Por Dante Filho (*)

A acareação de Paulo Roberto Costa (“o amigo Paulinho”e Nestor Cerveró, na CPMI da Petrobrás, na última terça-feira, é um dos documentos humanos mais importantes de nossa história contemporânea porque permitiu o confronto de dois personagens emblemáticos que mexem profundamente com o imaginário e os sentimentos da sociedade brasileira. Ali estava a síntese do Brasil encontrando-se consigo mesmo.

No futuro, quando os desdobramentos desse escândalo chegar aos vetores reais da punibilidade, vamos recordar esse momento como chave de todo o processo. Quem viver, verá.

Na superfície, Paulinho e Cerveró estavam, respectivamente, representando o sentimento de culpa e o cinismo que viceja na Pátria neste instante. Nas esferas mais profundas, tudo ali, naquele ambiente teatral, emblematizava os traços fundamentais da tragédia e da comédia nacionais.

Dois homens que durante muitos anos manipularam bilhões e bilhões de dólares, frente a frente, com seus advogados, acompanhados e escrutinados por parlamentares, sob o olhar da mídia, apresentavam-se ao País numa espécie de simbologia essencial sobre o que é a verdade e a mentira num contexto em que o cidadão é grande vítima, e o Estado, com seus poderes tentaculares, o veículo da infâmia e da vilania. Nada mais filosófico, poético e dramatúrgico.

Um detalhe chamou a atenção: a barba branca de Paulinho. Em poucos meses ele vem mudando sua imagem pessoal. Durante a fase de denúncia, ele estava imberbe, com leve sorriso no canto dos lábios. Depois da prisão, entrou em cena o personagem sóbrio, ostentando um bigode meio canhestro.

Agora, depois da delação premiada, o que se vê é a imagem do “rei deposto”. Na obra monumental do historiador Johan Huizinga, “O outono da Idade Média”, acreditava-se que cabelos e barbas detinham poderes mágicos que poderiam redimir as culpas e pecados. Talvez Paulinho, nesta altura dos acontecimentos, tenha decidido apegar-se a alguma crença na esperança de se ver livre de toda a enrascada em que se meteu. Não será fácil.

Neste sentido, a impressão que tive de Nestor Cerveró é de que ele ainda não está plenamente convencido que pertence a esse mundo. Jura inocência e repete que não sabia de nada. Sua aparência física permanece a mesma. Que cada um tire suas próprias conclusões desse fato.

Reflexão que se faz necessária. A corrupção é a rendição do egoísmo à ganância. Muitos perguntam as razões pelas quais pessoas com salários estupendos, homens ricos, herdeiros portentosos, arrivistas de esquerda cedem voluntariamente ao crime, roubando dinheiro público.

O fenômeno do Petrolão é esclarecedor. Há milhares de explicações na praça, indo do fator biológico, genético, comportamental, enfim, dados irrecorríveis da natureza humana e até mesmo animal. De pouco adianta sistemas de controle e leis fortes, o sujeito parece não resistir à tentação de aproveitar oportunidades de subtrair para si aquilo que subjetivamente é de todos.

Não interessa que a conseqüência final seja a imensa desigualdade que permanece no entorno. Ao contrário, isso parece estimular corruptos a encontrarem meios e formas criativas para roubar. O Brasil atual é um exemplo notável deste processo. Mas nada disso é novo: a historiografia vigente mostra atos corruptos desde a idade da pedra. Claro que numa sociedade como a nossa, na qual o consumismo e a ostentação tornaram-se valores supremos, o dinheiro transformou-se no maior fetiche de poder que se tem notícia.

Num ambiente como esse, os ricos ficam mais gananciosos e os pobres mais ressentidos. Só com mecanismos de absoluta transparência (pelos quais teremos que cada vez mais abrir mão de nossa privacidade) é que a corrupção poderá ser mitigada no mundo. E olha que ainda estou sendo ingênuo.

Presidência do legislativo estadual. De longe, tem-se que a impressão de que há três deputados disputando a presidência do Poder Legislativo de Mato Grosso do Sul: Júnior Mochi, Zé Teixeira e Paulo Corrêa. O governador eleito Reinaldo Azambuja afirmou que não interferirá neste processo. Acredite quem quiser.

Se Mochi for eleito a sombra de Puccinelli ficará pairando nos céus do próximo governo durante dois longos anos, até as eleições municipais.

Se o escolhido for Zé Teixeira, haverá uma compensação no processo de equilíbrio de poder, pois ele foi negligenciado quando da escolha da vice-governadoria.

Já com o deputado Paulo Corrêa, aí é outra história: esse é pragmático o suficiente para aderir ao governo (qualquer governo) e defendê-lo com mais competência e denodo do que qualquer parlamentar do PSDB.

(*) Dante Filho é jornalista.

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions