A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

16/12/2016 10:57

No Natal, quem nascerá?

Cardeal Geraldo Majella Agnelo*

Um poeta romântico alemão Novalis escreveu: “Uma criança é um amor tornado visível”. Do Menino nascido já dois mil anos se pode falar de modo superlativo. Cada Natal comemoramos o seu nascimento. No Menino de Belém se fez visível o amor de Deus por nós. “Quem será este Menino para mim? Quem sou eu para ele?”

A primeira leitura, Isaias 7, 10-14, nos apresenta um acontecimento decisivo para a história de Israel e da humanidade. No ano 735 antes de Cristo era rei de Judá um certo Acaz, descendente da casa de Davi. Esse rei se abandonava à idolatria. O profeta Isaias o reprovou em nome do Senhor, e o desafiou a pedir a Deus um sinal que lhe seria dado. O rei se recusou. Isaias pronunciou a profecia que hoje escutamos anunciando o nascimento do Emanuel, o Deus conosco.

Começava assim para Israel uma espera mais consciente do Messias.

Na segunda leitura, Romanos 1, 1-7, a carta mais importante de São Paulo, o apóstolo coloca a si mesmo no grande desígnio de Deus, apresentando-se como “apóstolo por vocação, isto é chamado pelo Senhor Jesus com a missão de “anunciar o Evangelho” a todos, também aos cristãos de Roma, que ele chama “amados por Deus”.

Assim o profeta Isaias e o evangelista Mateus apresentam: um menino, dom de Deus ao mundo, associado às vicissitudes humanas, colocado nas genealogias dos homens, faz parte da estirpe do rei Davi, misturado com a nossa história. O sinal dado pelo profeta: um menino nascerá em circunstâncias excepcionais, fora de toda lei da natureza.

Esse oráculo realizou-se em Belém. Sobre a descendência histórica de Jesus, em poucas palavras, dizemos que descendente de Davi na realidade é José, pai adotivo de Jesus. José lhe assegura o estatuto legal, porque o reconhece como filho, dá-lhe o nome. Assim Jesus é descendente de Davi. Mas atrás da paternidade putativa de José, se esconde o mistério, a verdadeira natureza de Jesus, filho de Maria, filho de Deus.

Há um outro aspecto singular: seja o profeta Isaias bem como o evangelista Mateus mostram os nomes tão diversos atribuídos a esse menino. Diz Isaias: “Será chamado Emanuel”; Diz Mateus: “Será chamado Jesus”. Naqueles tempos dava-se muita importância ao significado dos nomes de pessoa. Procuravam-se nomes cheios de alusões. Emanuel e Jesus eram nomes plenos de significado. Emanuel quer dizer: “Deus conosco”. Jesus significa: “Deus salva, Deus é salvação”. Através de Cristo se revela como Pai que ama os seus filhos e os quer salvos junto de si.

O percurso terreno do Verbo encarnado se concluiu, sabemos, com a morte, e ascensão de Jesus aos céus. Mas sua presença como “Deus conosco” no meio de nós tem um valor extraordinário.

Antes de tudo o Senhor vive entre nós com uma presença espiritual. Nós o descobrimos ainda mais presente no profundo da consciência. Sabemos também que Jesus o disse aos discípulos: “onde dois ou três estão reunidos em meu nome, eu estou no meio deles”. Isso vale também para nós, para as nossas reuniões, as nossas famílias.

O Senhor se faz presente com um máximo de presença na Missa: convoca-nos propositalmente para que o possamos encontrar. Encontramo-lo nas suas palavras, também naquelas do Evangelho: “O céu e a terra passarão, mas minhas palavras não passarão”. Nós o encontramos com uma presença especial, mística, na eucaristia, na comunhão.

O Senhor nos convoca à missa, depois nos envia, nos manda para testemunhá-lo no mundo. A missa constitui assim como o coração da Igreja. O envio é o momento em que levamos Cristo aos outros. Somos enviados em missão.

E então encontramos Jesus nos outros. Recordamos a parábola grandiosa do juízo final: “Vinde benditos, porque tive fome, sede, e me haveis dado de comer, de beber”. A resposta é surpreende para os justos: “Todas as vezes que o fizestes aos mais pequenos dos meus irmãos, a mim o fizestes”. Deus está conosco também em nossas ações.

Assim podemos concluir e compreender quem é esse menino que vem encontrar-nos neste Natal. E será de vários modos. No silêncio dos nossos corações ele dirá porque veio. Que todos tenham um Feliz Natal!

*Cardeal Geraldo Majella Agnelo é membro da CNBB.

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions