A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

07/03/2015 08:07

O Brasil e a desigualdade

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Cada povo deveria ter a oportunidade de construir de tal forma que as condições de vida fossem melhores, o que pressupõe uma população lúcida, empresariado e estadistas sérios e competentes, que visam progredir em paz e com sustentabilidade. No Brasil, tem faltado planejar o fortalecimento do mercado interno por meio da população com mais educação e preparo, e participação na riqueza gerada. Com passado colonialista e sistema escravocrata de trabalho, a tradição tem sido a transferência da maior parte para fora. Assim, a nação não se consolidou, pois o objetivo econômico se estabeleceu fora das fronteiras, gerando uma nação frágil, desigual, sem rumo próprio, com poucas escolas e cidades mal construídas.

Falta um choque de seriedade na administração pública. O Judiciário, que deveria ser a tábua de salvação da população indefesa, está assoberbado em meio a um milhão de processos, pressionado para agilizar as cobranças executivas e sem olhar para o mérito, acaba punindo inocentes vítimas. Faltam responsabilidade e consideração para com a população que precisa ser motivada e conscientizada de que pode sair do lodaçal e evoluir como ser humano. Enquanto perdurar essa nuvem de pessimismo, desânimo, despreparo e atos arbitrários, permaneceremos decaindo, abandonando o Brasil na beira do abismo.

Os fatos reais da nossa história documentam a fragilidade do mercado interno. Há descontrole das finanças em todos os níveis e poderes, desde Brasília até os municípios e estados. Houve gastos extorsivos inúteis e desnecessários como, por exemplo, a construção de estádios, além das jogadas internacionais que transferem dólares e empregos para fora. Há os embates e lutas pelo poder, e o abandono da responsabilidade com o todo. Tudo isso faz do Brasil uma terra de ninguém, onde os espertos vem predar enquanto vamos decaindo.

Mais do que nunca é preciso controlar os gastos, poupar, não se endividar e aplicar as normas de bom senso que foram abandonadas por causa das eleições. O problema da falta de equilíbrio entre o que se recebe e o que gasta, entre o que se importa e exporta, se reflete em tudo, inclusive no elevado nível do desequilíbrio fiscal.

A fragilização geral tem sido provocada pelos estadistas de pouca visão, pela extinção do empresário local com algum interesse no equilíbrio e progresso, sendo que alguns se tornaram importadores aproveitando o dólar barato desde 1994, pela especulação financeira, também tem a interferência das multinacionais que planejam globalmente com foco mais dirigido para o mercado consumidor local.

As finanças se globalizaram, mas ainda não alcançamos um tratamento equalizado entre os povos e nações, ficando uns com mais poder do que outros, produzindo a crescente desigualdade. Muitos países estarão fadados a involuir, tendendo para o aumento da miséria, convulsão social, e desordem. Diante da obstinação de acumular riqueza e poder, é o próprio mercado que poderá vir a ser destruído.

Como em outros países, também estamos sob o impacto do esvaziamento da bolha imobiliária, da guerra cambial, da geopolítica dos mais fortes que impõem o que lhes é mais conveniente, da deslocação da produção para regiões de menores salários, mão de obra mais dócil frente às rígidas rotinas de trabalho, menos restrições ambientais. Faltam objetivos nacionais para o progresso, a paz e a sustentabilidade.

Há muita turbulência no mundo. No Brasil temos muitos problemas essenciais para serem solucionados. É preciso construir um caminho de esperança para sair das trevas dos erros humanos, pois como disse o presidente americano Barack Obama as coisas estão se agravando pelo mundo com o aumento do ódio, agressão e maldade.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”, e “2012...e depois?”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions