A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 23 de Junho de 2017

05/02/2014 14:06

O Lampião de Gás e o Trem Fantasma

Por Marcos Luiz Garcia (*)

Vinha eu dirigindo com certa velocidade por uma das ruas da Bela Vista quando ouvi, entrecortada, a outrora tão popular música Lampião de gás(**). Diminuí a marcha até parar para captar aquela melodia que me deu a impressão de vir de outro mundo:

Lampião de Gás
Lampião de gás, lampião de gás
Quanta saudade você me traz

Da sua luzinha verde azulada
Que iluminava minha janela,
Do almofadinha lá na calçada,
Palheta branca, calça apertada

Do bilboquê, do diabolô,
"Me dá foguinho", "vai no vizinho"
De pular corda, brincar de roda,
De Benjamim, Jagunço e Chiquinho

Lampião de gás, lampião de gás
Quanta saudade você me traz

Do bonde aberto, do carvoeiro
Do vassoureiro com seu pregão
Da vovozinha, muito branquinha,
Fazendo roscas, sequilhos e pão

Da garoinha fria, fininha,
Escorregando pela vidraça,
Do sabugueiro grande e cheiroso,
Lá do quintal da rua da Graça

Lampião de gás, lampião de gás
Quanta saudade você me traz

Da minha São Paulo, calma e serena,
Que era pequena, mas grande demais!
Agora cresceu, mas tudo morreu...
Lampião de gás que saudade me traz.

E pensei: meu Deus! Que diferença! Que cidade paradisíaca em comparação com a de hoje, uma infinidade de moradores de rua, sendo muitos deles capazes; cidade que não dorme, com uma zoeira das mais poluentes aos ouvidos; cidade onde perambulam drogados, criminosos, prostitutas e ladrões; com os rolezinhos e os rolezões.

Cidade onde grassam as leis idiotas, os impostos escorchantes, as multas e os radares rapinando os bolsos dos cidadãos; onde os homens se tornam cada vez mais decadentes e toscos; as crianças que muito prematuramente perdem a inocência não sonham mais; as pessoas que, embora amontoadas e se acotovelando, vivem num imenso anonimato.

Como o desencaixe social é total, as pessoas se movem como robôs numa espécie escravidão àquilo que o vulgo vem chamando de ‘agito’, embora o sujeito ‘senhor’ seja oculto, cada vez toma mais vulto à maneira de um trem fantasma...
Para minha alegria, e, certamente de outros eu ouvia a música ali parado diante de uma janela... Quando terminou, resolvi gritar? – Quem está ouvindo música? Apareceu um jovem que me retrucou: – Sou eu. Ouvi na internet e gostei. Baixei-a e estou ouvindo no computador. Gosto muito dela, pois me ajuda a fugir dessa cidade infernal.

– Concordo com você, respondi. Por favor, me faz a caridade de copiá-la no meu Pen Drive? – Claro, amigo, é pra já!

(*) Marcos Luiz Garcia é escritor e colaborador da ABIM.

(**) Composta por Zica Bergami em 1957, a valsinha que cantava as saudades de uma São Paulo que ficou para trás com a modernização e o crescimento da metrópole virou sucesso nacional ao ser gravada por Inezita Barroso no ano seguinte. Desde então, foi regravada por inúmeros artistas. Mesmo com seu incontestável DNA paulistano, a canção se tornou conhecida em todo o Brasil.

 

Lembranças e esquecimento
xcertos de cartas preteridas por outros veículos de comunicação refletem o que se pretendeu opinar, discutir e comentar. No âmbito cultural e em rela...
Brasil potência no mundo da ciência: entre o intelectual e o manicomial
Não se pode dizer ao certo se por conta de uma "cultura da avaliação" – seja lá o que isso signifique – ou se por um instinto de vaidade, quando são ...
O círculo de todos nós
São inúmeros os estudos que tratam da distinção entre o público e o privado. No entanto, estamos vivendo um novo momento da humanidade em que essa fr...
O Segredo da Juventude
Quem quer ser jovem? Sabe-se que as pessoas buscam a cada dia uma supra valorização da aparência, principalmente nos dias atuais. A cantora Madonna (...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions