A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

08/11/2016 16:44

O mercado chinês, hoje

Por Milton Lourenço (*)

O cenário econômico chinês está passando por enormes transformações desde a crise mundial de 2008, quando o governo local decidiu criar um mercado interno forte para reduzir a dependência em relação aos Estados Unidos e à União Europeia. Mas isso não significa que seu grande mercado esteja fechado ou que não haja oportunidades para empresas estrangeiras. Pelo contrário.

A China ainda enfrenta graves problemas de abastecimento e necessita não só de alimentos como de uma grande quantidade de bens duráveis. Além disso, não são poucos aqueles que se tornaram milionários na China pretensamente comunista e que, agora, sentem-se ávidos por comprar produtos de grife ou de luxo.

Em outras palavras: a China quer mudar seu modelo econômico, que estava centrado nas manufaturas para exportação, na mão de obra barata, no câmbio desvalorizado e nos grandes investimentos estatais na indústria e em obras de infraestrutura, como estradas e aeroportos.

Agora, o seu foco é o de construir uma economia de consumo interno e de serviços. Como a sua população é imensa e o país não reúne condições de sozinho abastecer esse grande mercado consumidor, está claro que, hoje, muitas oportunidades para empresas estrangeiras começam a surgir por lá.

Mas, antes de tudo, obviamente, o exportador brasileiro deve fazer uma pesquisa de mercado, pois os chineses têm hábitos bem diferentes daqueles exercitados pelos ocidentais, o que pode inviabilizar a exportação de muitos produtos. Ao mesmo tempo, os asiáticos, de um modo geral, demonstram muito interesse em conhecer os hábitos de consumo do Ocidente, o que significa que podem se abrir para novas experiências.

Por exemplo: é milenar o hábito chinês de consumir chá, o que significa que haveria poucas chances de exportar café para lá. Mas, como os chineses estão se ocidentalizando, não custaria muito uma tentativa de buscar espaço para o café brasileiro. Ou ainda de vender produtos semipreparados, já que os chineses, a exemplo dos ocidentais, têm cada vez menos tempo para ficar na cozinha.

Outro mercado na China em crescimento é o de carne bovina. Como o mercado é bastante reduzido, o governo chinês está empenhado em subsidiar a produção local, que é estimada em 3 milhões de toneladas por ano. Sabe-se que o consumo per capita é de apenas 5 quilos por pessoa anualmente, mas, levando-se em conta o número de consumidores chineses, basta imaginar que o aumento desse índice para 6 quilos já equivalerá a uma drástica mudança no mercado mundial. E, se os fornecedores brasileiros participarem dessa mudança, está claro o que isso pode significar no sentido de revitalizar a economia nacional.

(*) Milton Lourenço é presidente da Fiorde Logística Internacional e diretor do Sindicomis (Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo) e da ACTC (Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística)

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions