A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

08/05/2017 10:30

O Pantanal não tem fronteiras e precisa de políticas públicas comuns

Por Eduardo Romero (*)

O Pantanal é a maior planície alagável do mundo, o elo entre as duas maiores bacias hidrográficas da América do Sul: a do Prata e a Amazônica. Dada sua importância para a humanidade, foi reconhecida como Patrimônio Nacional pela Constituição Federal e também como Reserva da Biosfera, pela UNESCO e sua área é compartilhada pelo Brasil, Bolívia e Paraguai.

O olhar histórico nos permite observar e compreender que a ocupação humana no Pantanal se dá por meio de três grandes fases. A primeira, das sociedades indígenas, foi caracterizada pelo uso dos recursos naturais disponíveis sem a sua destruição.

Na segunda, com a colonização europeia, houve a introdução da pecuária, mas ainda assim manteve a diversidade dos habitats, mesmo que a busca por diamantes e ouro tenha provocado alguns impactos pontuais. Na terceira fase o processo de ocupação da região pantaneira é incorporado às políticas públicas desenvolvimentistas, a exemplo da Hidrovia Paraguai-Paraná, das usinas de álcool, do polo minero-siderúrgico e até do polo gás-químico.

No entanto, a impressão é que estamos caminhando em círculo, pois as propostas de desenvolvimento econômico para o Pantanal estão sempre baseadas em megaprojetos que demandam grandes investimentos em infraestrutura. Não se pode apostar em apenas um único projeto de desenvolvimento porque temos inúmeras iniciativas menores, e até mesmo isoladas, que geram renda e desenvolvimento, como é o caso das atividades voltadas para as modalidades de turismo sustentável, como o de contemplação, rural, de comunidade e o gastronômico. Este modo de desenvolvimento pode e deve ser promovido, porque vem somar com os sistemas produtivos já existentes, como a pecuária extensiva, pesca artesanal e o comércio.

O Instituto SOS Pantanal e a Frente Parlamentar de Vereadores Ambientalistas organizam três seminários, sendo o primeiro deles dia 9 de maio, com objetivo de construir um plano de desenvolvimento regional para o Pantanal, para identificar oportunidades e desafios. Ações essas resultantes do compromisso firmado em 2016 entre os governadores de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso quando assinaram a Carta Caiman, com o compromisso de trabalhar políticas comuns para o Pantanal, considerando os aspectos ambientais e culturais que unem os dois estados.

O Projeto de Lei do Pantanal fez com que diversos parlamentares, pesquisadores e ambientalistas se manifestassem contrários por entender que prejudica o equilíbrio ecológico do ecossistema. Em razão da proposta apresentada e outras legislações em vigência diferentes segmentos da sociedade estão interessados em discutir amplamente para buscar uma proposta que contemple todos e respeite os limites do ecossistema pantaneiro.

A Frente Parlamentar de Vereadores Ambientalista apoia e acompanha todas as discussões porque entende a importância e urgência em se ter uma legislação específica para o Pantanal e que esteja de acordo com as peculiaridades do ambiente. Não existe o Pantanal do MS ou do MT. Existe o Pantanal da humanidade, que necessita de políticas públicas que mantenham o bioma e os pantaneiros.

(*) Eduardo Romero é vereador por Campo Grande pelo Rede, integrante da Comissão de Meio Ambiente da Câmara da Capital e coordenador nacional da Frente Parlamentar de Vereadores Ambientalistas

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions