A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Junho de 2018

12/06/2012 14:29

O planeta geme, por Laerte Tetila

Por Laerte Tetila (*)

As agressões ao meio ambiente continuam mais intensas do que nunca. A degradação ambiental está descontrolada e passa dos limites. Basta ver a camada de ozônio sendo esburacada e o efeito estufa aumentando; as temperaturas se elevando, a atmosfera sendo desfigurada, as geleiras derretendo, as águas apodrecendo e os desertos avançando. E o que dizer dos combustíveis fósseis, dos agrotóxicos, do lixo radiativo, do crescimento demográfico e do consumismo?

A pressão sobre o meio ambiente tornou-se assustadora e o planeta geme feito um organismo vivo, tal como na teoria de Gaia. Chegamos ao imponderável. A taxa de exploração dos recursos naturais já excede a taxa de regeneração. Incrível, mas o Planeta Terra já foi dilapidado 30 por cento a mais do que pode suportar, conforme alerta da própria comunidade científica mundial.

Este é o passivo ambiental; um passivo que vem recaindo sobre a Biosfera (sustentáculo da vida), cujo preço a humanidade vem pagando e com uma brutal e inaudita perda da biodiversidade.

É angustiante saber que mais de cem espécies, por dia, entre plantas e animais, estão sendo apagadas para sempre da face da terra. É a extinção que consumirá nada menos do que a metade da Biosfera, ainda neste século.

O corte na emissão de gases do efeito estufa tem sido um fracasso. Os centros de climatologia espalhados pelo mundo têm revelado a gravidade do problema. O aquecimento global não cessa e uma de suas múltiplas consequências é a desertificação, que já abrange mais de cem países, conforme a ONU, fato que já produziu cerca de 500 milhões de refugiados ambientais e, isso, para dizer o mínimo.

Muito embora a crise ambiental tenha se tornado um truísmo, poucos a têm levado a sério. Mesmo com o planeta emitindo sinais visíveis, sensíveis e mensuráveis de exaustão, mesmo com todos os indicadores demonstrando a amplitude dos estragos, a guerra pela apropriação dos recursos naturais que ainda restam segue mais intensa e desenfreada do que nunca. E com direito à tecnologia moderna.

É o ritmo ditado pelo consagrado padrão de produção e consumo, focado na maximização do lucro, que segue indiferente, pouco se lixando com os estragos ambientais e com o futuro da humanidade.

Nem mesmo os megaeventos mundiais, expondo com clareza científica a gravidade da crise, como a Conferência de Estocolmo (l972), a Carta da Terra (l987), o Protocolo de Kyoto (l997), a Eco-Rio (l992), a Cúpula Mundial de Johanesburgo (2002) e a famosa Agenda 21, têm sido suficientes para conter o ímpeto do binômio produtivismo-consumismo e seus efeitos arrasadores.

A sustentabilidade, magnífico conceito que visa satisfazer as necessidades presentes sem comprometer as gerações futuras, consolidada na Eco-92, hoje unânime e universal, infelizmente, só tem feito aumentar a frustração da ONU e da comunidade científica mundial, pois, quanto maior o acúmulo de informação e alerta, quanto maior o esforço pela conscientização, mais se tem dilapidado e destruído.

Por outro prisma, seria uma injustiça querer responsabilizar toda a humanidade pelo agravamento da crise, sem que apresentemos à luz do dia os protagonistas do produtivismo e do consumismo. E não é de se duvidar que tais medalhões, por ocuparem o topo da pirâmide econômica, nem se sintam como integrantes da humanidade.

Infelizmente, as iniciativas em favor do meio ambiente têm sido tímidas e apenas pontuais. A reconciliação e o novo pacto com a natureza ainda são palavras ao vento. O conceito do desenvolvimento sustentável, ainda que praticado com seriedade por alguns, já está sendo apropriado e transformado em oportunidade de bons negócios, através da propaganda enganosa. Daí o ceticismo quase unânime para com a Rio+20. Por essas e por outras, é que a velha máxima de Lampeduza nunca foi tão atual: "Que tudo mude para que tudo continue como está".

(*) Laerte Tetila é mestre em geografia física pela USP e deputado estadual (PT/MS).‏

O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...
Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions