A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Setembro de 2017

04/10/2013 10:01

O PT e o PMDB nas eleições de 2014 em MS

Por Vander Loubet (*)

No dia 5 de outubro termina o prazo para filiações partidárias de pessoas que almejam se candidatar a um cargo eletivo em 2014. A próxima semana colocará um ponto final em muitas especulações. José Serra pode sair do PSDB para disputar a Presidência pelo PPS? Marina Silva conseguirá a aprovação do seu novo partido ou se filiará a outro? Em Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja deixará o PSDB para facilitar uma aliança com o PT?

Fato é que, até o momento, o que se apresenta mais bem encaminhada é a possibilidade inédita de uma composição entre PT e PMDB para as eleições em nosso estado. Até porque a aliança nacional dos dois partidos vai seguir adiante na busca pela reeleição de Dilma Rousseff e Michel Temer.

Vejo a política como ferramenta necessária para a democracia. A democracia pressupõe sempre a capacidade de conciliar, negociar, flexibilizar e chegar a consensos, tendo como objetivo não apenas a política pela política, mas a concretização de avanços e melhorias para a população. Isso vale para qualquer país, é assim no Brasil, na Alemanha ou nos Estados Unidos, onde os líderes precisam de aliados para governar.

Aliás, que fique registrado, é exatamente isso que o prefeito Alcides Bernal ainda não entendeu e por isso enfrenta profundas dificuldades para governar Campo Grande, sob pena inclusive de sofrer um processo de impeachment por absoluta incapacidade de dialogar politicamente com aliados e adversários.

Em Mato Grosso do Sul, PT e PMDB são e sempre foram adversários históricos, especialmente a partir de 1996, na disputa pela Prefeitura da Capital.

O PT governou MS entre 1999 e 2006, com Zeca do PT, período no qual as novas bases econômicas e de gestão foram iniciadas, de forma inédita, no Estado, tais como a reforma administrativa e a criação dos fundos de investimentos no social (FIS), na cultura (FIC) e no esporte (FIE) e a nova lei de incentivos às indústrias, que ampliou, diversificou e modernizou a economia de MS. O PT ainda trouxe, para o centro da administração estadual, a preocupação com as questões sociais.

O governo de André Puccinelli deu continuidade à parte desse processo e ampliou muitas dessas ações.

Contudo, apesar dos enfrentamentos eleitorais, interesses comuns acabaram aproximando PT e PMDB. Os deputados federais e senadores de ambos os partidos, independente das diferenças, trabalharam de forma incansável pelos interesses de Mato Grosso do Sul, ajudando a garantir muitos investimentos e obras do governo federal no estado e nos municípios.

Outro fato que mostrou essa aproximação se deve à atuação do senador Delcídio do Amaral, que a partir de 2010 passou a usar o slogan "o senador de todos" e que inclusive amealhou muitos votos de eleitores do PMDB.

Uma aliança entre PT e PMDB em MS poderia indicar uma nova tendência política no estado: o término das polaridades políticas, assentadas, principalmente, nas disputas políticas de Pedro Pedrossian versus Wilson Martins e de Zeca do PT versus André Puccinelli. Seria o início de um período no qual as orientações programáticas e partidárias superariam as personalidades políticas.

Delcídio é nosso candidato, o candidato do PT, para governador nas eleições de 2014. Elegê-lo é nossa prioridade número um, bem como eleger uma boa bancada de deputados estaduais e federais para ajudá-lo na tarefa de administrar o Estado. Para as composições partidárias, temos para os aliados as vagas de vice-governador(a) e de senador(a). E dentro desse contexto, da possibilidade efetiva de aliança entre PT e PMDB em MS, existe a chance de um convite para que o governador André venha a assumir o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a partir da reforma ministerial prevista para abril de 2014.

(*) Vander Loubet é deputado federal pelo PT-MS.

Às vezes, temos de magoar alguém para salvar a nós mesmos
Poderemos ter que romper com um parceiro que ainda nos ame, que dizer não a alguém muito querido, que ser antipáticos, pois sempre haverá a necessida...
Por que participar do Comitê dos Usuários de Serviços de Telecomunicação
Desde a polêmica das franquias de dados na Internet fixa, a Agência Nacional de Telecomunicações vive uma crise de imagem e de legitimidade. Na época...
A Guerra de 100 anos: poupadores vs bancos
Há 680 anos, a Europa ocidental testemunhava o início de uma de suas mais longas guerras. A versão mais conhecida entre historiadores é de que o conj...
As deformações sobre o conteúdo (ataques e defesas) da reforma trabalhista
Recentemente li uma matéria no Jornal Valor Econômico, de 11 de setembro de 2017, que me deixou muito intrigado. Na verdade, perplexo. Com argumentaç...



pois é! ilustre dep. nessas horas da vergonha de ser petista, tenho que voltar atrás também junto aos parentes e amigos que divulguei seu nome dizendo ser uma boa opção de voto, amigos e parentes em sua maioria que sofreram arrocho salarial, por parte desse PMDB que governa o estado, mas tudo bem, você não perde eleição e, nem precisa do nosso voto, seja feliz com o novo ministro que indicou.
 
claudenir a a angelo em 04/10/2013 11:30:27
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions