A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Outubro de 2017

31/10/2014 08:38

O que de fato importa para o Brasil e o mundo

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

A situação mundial se complica devido a vários fatores: crise econômica, população elevada e crescendo, aumento da pressão sobre os limitados recursos naturais e conflitos. A economia e as finanças vivem um clima que tende para a estagnação. Efetivamente, o que está provocando essa tendência que traz como efeito a redução de oportunidades de lucro, o consumo vai diminuindo, as bolhas especulativas e os artificialismos vão perdendo a sustentação gerando pânico? Está faltando um estudo que proponha soluções que tragam o equilíbrio. Será que a competitividade e o individualismo permitiriam isso?

O Brasil poderia atuar como uma interseção de harmonização, mas deveríamos nos centrar nisso sem dispersar tempo e energia com discussões ideológicas visando interesses particulares. Enquanto prevalece o desejo de dominação e poder, falta nos adultos a visão de melhor futuro, com liberdade, segurança e qualidade de vida. As novas gerações estão sendo afastadas disso e levadas ao superficialismo. A vida se torna mecânica, sem propósitos enobrecedores, distante do que deveria ser a missão humana de beneficiar tudo.

Metade da população do planeta vive em precárias condições. Estamos à beira do colapso nos recursos naturais, na redução da produção de alimentos, na escassez da água e no caos social. Está ocorrendo a mais contundente alteração do clima com o aquecimento global que provoca ao mesmo tempo degelo, secas e inundações. A humanidade permanece insensível. Para uma transformação, necessitamos do desenvolvimento de valores humanos e de uma ética universal.

No país, os problemas são imensos. Basta pensar no descaso com as florestas e a água. Agora se fala em reuso, mas a falta de saneamento, deixado por conta das omissas prefeituras, permitiu a poluição de rios e lençóis freáticos. Na Califórnia, a seca já é a pior em 500 anos. Janet Yellen, presidente do FED, preocupa-se com a redução das múltiplas oportunidades, o que está promovendo a continuada concentração da riqueza.

Enfrentamos grandes riscos, sendo o mais grave aquele que se refere às liberdades individuais. A tirania ronda o nosso mundo. Impor a vontade de forma desimpedida é o sonho dos tiranos visando manter a população anestesiada para livremente exercer o poder sobre todas as pessoas e todas as coisas, proibindo críticas, escondendo a verdade, e se enfurecendo com aqueles que dizem o que de fato está acontecendo. Há um abuso na apresentação de cenários catastróficos pela mídia. Seria por causa das pesquisas de opinião, alardeando que a massa tem preferência por desgraças e tragédias, desprezando as boas histórias que apresentam harmonia, justiça e punição dos maus? Ou se trata mesmo de um mecanismo destinado a manter a massa controlada sob tensão e apatia?

Esse, infelizmente, é o grande perigo que tanto pode partir da direita conservadora, com seus métodos camuflados e sutis de seduzir as massas, ou da esquerda insatisfeita impondo a sua vontade pela força e tolhendo as iniciativas individuais no arrepio da lei, derrubando a constituição democrática. Atualmente, os interesses de grupos levam ao desejo de vencer as eleições custe o que custar, e isso não só no Brasil. E depois o que acontece? Farão como sempre, uma administração voltada para os interesses particulares, deixando de lado o que é essencial, sem preocupações quanto ao futuro.

Os governantes deveriam, partindo das necessidades internas, por em prática as soluções adequadas aos genuínos interesses do povo na busca da paz e do progresso real. Quando a humanidade estiver coesa e unida buscando o saber das imutáveis leis naturais da Criação, observando-as atentamente, não mais colocando como a principal prioridade da vida as conquistas terrenas, a riqueza, o dinheiro e o poder, e definindo como alvo construir beneficamente, então poderá desfrutar amplamente da liberdade, e a sociedade humana alcançará aquele nível nobre e elevado que lhe está destinado desde sempre.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”, e “2012...e depois?”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

Da hora, tio!
Confesso que estou com saudade dos tempos já vividos. Dos tempos em que às oito da matina as crianças já estavam na escola desde às sete e Marta e eu...
Automação não é só para call center
A automação de atividades tem sido bastante discutida nas empresas e na imprensa, mas por um viés “negativo”: a substituição dos homens pelas máquina...
Por onde começar quando se deseja mudar de carreira
Quero mudar de carreira, como escolho? Essa pergunta é mais comum do que imaginamos. Eu mesmo já passei por isto mais de uma vez, seja por não estar ...
De que maneira o setor de energia elétrica no Brasil sairá afetado pela crise?
Após uma seca severa que atingiu a geração de energia hidrelétrica e que forçou o País a recorrer para fontes de energia térmica, as chuvas voltaram ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions