A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

11/07/2012 06:02

Os grandes pioneiros, por Heitor Freire

Por Heitor Freire (*)

Campo Grande sempre foi uma cidade bem aquinhoada de pessoas bem dotadas e corajosas, desde a sua fundação.

Tivemos grandes pioneiros, em todas as áreas. Vou listar os que eu conheci, desde já remitindo-me por eventuais falhas.

Na pecuária: Laucídio Coelho, Etalívio Pereira Martins, Osvaldo Arantes, Geraldo Corrêa, Elisbério Barbosa, Antônio Morais dos Santos, Eduardo Machado Metello, Paulo Coelho Machado.

Os mais antigos logo no começo das suas atividades adotaram o avião como meio preferencial de transporte. Isto quando o avião ainda era uma grande incógnita. Antônio Morais foi piloto por mais de cinquenta anos.

No transporte, Loureiro Pereira Queiróz, Valdevino Guimarães.

No comércio Naim Dibo, Carmo Jabour, José Abrão, José e Michel Nasser, Aikel Mansour.

Na construção civil: Pedro Peluffo Arruda, Giannino Camillo, Arnaldino da Silva, Abdallah Georges Sleiman, Anees Salim Saad, Clóvis e Claúdio Orsi, Vicente e José Oliva.

Pelo que eu sei, destes, somente Laucídio Coelho teve sua vida registrada em livro pelo seu genro, recentemente falecido, Antônio Barbosa de Souza.

Dele, Laucídio, conheço um episódio: quando já afastado da linha de frente dos negócios, com idade bem avançada, mas sempre muito lúcido, reuniu seus filhos e os orientou para que adquirissem uma fazenda na região da serra da Bodoquena.

Os filhos reunidos começaram a argumentar sobre as vantagens e desvantagens do negócio, quando “seu” Laucídio bateu a bengala fortemente em cima da mesa dizendo: “Não mandei discutir, mandei comprar”. Com isso se encerraram as discussões e trataram de cumprir o que ele havia determinado.

Já Etalívio Pereira Martins afirmava sempre: “Quem quiser vender, tem que botar no jeito”, ou seja, com preço e condições de pagamento.

Uma frase de Elisbério Barbosa: “A vida é maravilhosa quando não se tem medo dela”.

Nos transportes, o Queiróz e o Valdevino, foram dos mais corajosos. Queiróz, misto de motorista+cobrador+mecânico, iniciou com a linha, Dourados/Itaúm/Maracaju, em uma jardineira mista que era um veículo sem portas, com as laterais abertas por onde entravam e saiam os passageiros.

Conduzia gente e transportava carga, tinha hora de saída, mas poucas vezes, de chegada. E assim, viagem após viagem, foi construindo aos poucos essa empresa gigante que é o Expresso Queiróz.

Valdevino com a sua empresa Baleia (balança, mas não cai), tinha as mesmas dificuldades do Queiróz, na linha Campo Grande/Cuiabá. Mas enfrentando toda uma série de embates da adversidade, conseguiu a duras penas vencer. Depois foi deputado por algumas legislaturas.

Fica assim um breve registro sobre alguns dos nossos grandes pioneiros.

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado.

A dedicação que fez a diferença
Em Botucatu-SP, a chegada em 1963 da antiga Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas (FCMBB) se fez pela dedicação de muitos. Seu estabelecimento c...
O roubo amago do cedro!
A história de um país que remete-nos a antiguidade histórica também leva-nos a homenagear nesse 22 de novembro a história de um povo que carrega em s...
Quando tudo podemos, o que queremos?
A feminilidade atual convive com o tempo e não é obscurecida pela maturidade, ao invés, resplandece, iluminada por uma luz que transcende os modelos ...
Imposto sindical e o fim da sua obrigatoriedade
O “imposto sindical”, assim denominado pela CLT no atual artigo 578, é uma contribuição obrigatória devida por todos aqueles que participarem de uma ...


Grande cronista, muito talentoso.

Parabéns.
 
Marcelo Dorneles em 11/07/2012 07:22:51
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions