A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 18 de Outubro de 2019

15/08/2013 08:34

Paraguai e Mercosul: um casamento que interessa ao Brasil

Por Fábio Trad (*)

A Democracia sul-americana saúda, neste quinze de agosto, a posse de Horácio Cartes como Presidente da República do Paraguai, escolhido em eleições reconhecidas por observadores internacionais como transparentes e legítimas.

Contudo, ainda que grande número de chefes de Estado e de Governo da América do Sul, incluindo a Presidente Dilma, deva estar presente na celebração democrática da nação guarani, esses importantes convivas farão enorme esforço para dissimular o desconforto decorrente do embaraço diplomático que eles próprios criaram ao suspender o Paraguai do Mercosul.

Suspenso da organização multilateral logo após a remoção sumária de Fernando Lugo da Presidência, em junho de 2012, o Paraguai experimentou o rigor legalista de um Mercosul tradicionalmente mais tolerante ante transigências flagrantes de países-membros. Como o permissivo flerte de ontem, do Brasil com a Líbia de Kadaf e com o Irã de Ahmadinejad; as astuciosas arremetidas, de ontem e de hoje, do kirchnerismo contra a liberdade de imprensa na Argentina; e a esdrúxula sucessão de Hugo Chávez que ainda há pouco guindou Nicolás Maduro ao poder na Venezuela.

Aliás, no vácuo da heterodoxa suspensão, o Mercosul admitiu a Venezuela, que o Paraguai vetava, dobrando a afronta a um membro fundador do organismo. Cúmulo da ironia, ou contundente resultado da soma de improvisos diplomáticos, neste momento a presidência de turno do Mercosul é exercida pela Venezuela, que sequer tem relações diplomáticas com o Paraguai.

Agora chamado a voltar ao “clube”, o Paraguai recusou olimpicamente o convite, em estratégica afirmação interna de sua altiva autonomia e, no contexto diplomático, assinalando que o Mercosul não lhe fez falta neste ano de pretenso “castigo”.

Mais ironia? Como Venezuela e Paraguai não têm relações diplomáticas, Nicolás Maduro não foi convidado para a posse de Horácio Cartes. Nem mesmo a condição de dirigente da vez do Mercosul ‘aliviaria’ sua condição de ‘penetra’ – o Paraguai agora esnoba o apelo para retornar ao clube que suspendeu sua carteira de sócio.

Trapalhadas do Mercosul à parte, o que de fato importa, neste quinze de agosto, é fazer chegar ao bravo povo paraguaio, através do Congresso Nacional, a confirmação dos propósitos permanentes da nação brasileira, de solidariedade e de comunhão de princípios na construção da Democracia como patrimônio comum do Continente.

Filho de um Estado que tem o privilégio de conviver com os irmãos paraguaios ao longo de extensa e viva fronteira que, ao contrário de dividir, anula limites geopolíticos na sagração de uma generosa consanguinidade, tenho plena certeza de que ao saudar a brava nação guarani, e desejar ao Presidente Horácio Cartes um governo profícuo na construção da grandeza do Paraguai, escrevo por todo o Brasil.

(*) Fabio Trad é deputado federal pelo PMDB de Mato Grosso do Sul.

Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
As mulheres e Einstein
Fato incomum: 1.900 mulheres discutindo agronegócio, de questões mercadológicas a tendências de tecnologia, sustentabilidade, gestão, diplomacia ambi...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions